Posts Marcados Com: Hipólita

O simbolismo do cinto de Hipólita

Foi a pedido de Admeta, filha de Euristeu e sacerdotisa de Hera argiva, que Héracles, acompanhado por alguns voluntários, inclusive Teseu, seguiu para o fabuloso país das Amazonas, a fim de trazer para Admeta o famoso Cinturão de Hipólita, rainha dessas guerreiras indomáveis, e cumprir seu nono trabalho. Tal Cinturão havia sido dado a Hipólita pelo deus Ares, como símbolo do poder temporal que a Amazona exercia sobre seu povo.

O herói prosseguiu viagem chegando ao porto de Temíscira, pátria das Amazonas. Hipólita concordou em entregar-lhe o Cinturão, mas Hera, disfarçada de uma amazona, incitou grave querela entre as partes. Após cruenta batalha, a rainha entregou o cinto a Héracles.

O cinturão ou simplesmente o cinto, atado em torno dos rins, por ocasião do nascimento, religa o um ao todo, ao mesmo tempo que liga o indivíduo. Toda a ambivalência de sua simbólica está resumida nestes dois verbos, ligar e religar.

Religando, o cinto dá maior segurança e tranqüilidade, reanima, transmite força e poder; ligando, acarreta, ao revés, a submissão, a dependência e, por conseguinte, a restrição, escolhida ou imposta, da liberdade. Materialização de um engajamento, de um juramento, de um voto feito, o cinto assume um valor iniciático, sacralizante e, materialmente falando, torna-se uma insígnia visível, as mais das vezes honrosa, que traduz a força e o poder de que está investido seu portador. Para não multiplicar os exemplos, é bastante observar as “faixas” dos judocas, de cores variadas e significativas, os cinturões, em que se penduram as armas e os inumeráveis cintos votivos, iniciáticos e de aparato, mencionados pelas tradições e ritos de todas as culturas.

Na Bíblia, o cinto é símbolo de uma união estreita, de um vínculo permanente, no duplo sentido de união na bênção e de tenacidade na maldição:

Vestiu-se de maldição como de veste,
e ela penetrou como água nas suas entranhas,
e como azeite nos seus ossos.
Que ela seja para ele o vestido com que se cobre,
e como o cinto com que se cinge.

Os Judeus celebravam a Páscoa, consoante a ordem de Javé, com um cinto em torno dos rins, pois que o cinto é um elo precioso que une Javé a seu povo.

A composição simbólica do cinturão espelha a vocação de seu portador, configura a humildade ou o poder, designando sempre uma escolha e um exercício concreto dessa escolha. Quando Cristo diz a Pedro que, jovem, ele se cingia, mas um tempo viria em que outro o haveria de cingir (Jo 21,18), isto significa também que Pedro podia outrora escolher seu destino, mas que, depois, ele compreenderia o apelo da vocação:

Em verdade, em verdade te digo: quando eras mais moço,
cingias-te e ias aonde desejavas; mas quando fores velho,
estenderás as tuas mãos, outro te cingirá e te levará para onde tu não queres.

O cinto é igualmente apotropaico: protege contra os maus espíritos, como os “cinturões” de proteção em torno das cidades as defendem dos inimigos.

Para Auber, citado por Chevalier e Gheerbrant, “cingir os rins nas caminhadas ou em toda e qualquer ação viva e espontânea significava para os antigos uma prova de energia e, por conseguinte, de desprezo pela frouxidão e indolência; era ainda um sinal de continência nos hábitos e de pureza no coração (…). Para S. Gregório, cingir os rins era um símbolo de castidade”. É nesse sentido que, ligado à continência, pode-se interpretar o cinto de couro ou corda, usado em certas ordens e congregações religiosas. Mas o símbolo não pára por aí, pois que os rins, consoante a Bíblia, configuram também não só o poder e a força, mas igualmente a justiça, como diz Isaías 11,5:

A justiça será o cinto dos seus lombos e a fé o talabarte de seus rins.

Símbolo de ligar e religar, símbolo de humildade e submissão, símbolo do poder e da justiça, mas igualmente do “poder castrador”, símbolo da continência, o Cinturão de Hipólita passou do “poder castrador”, para o poder de continência: deixou de ser visado por uma Amazona, para guarnecer os rins de Admeta, sacerdotisa de Hera.

Referência:

BRANDÃO, J. S. Mitologia Grega v.3. Petrópolis: Vozes, 2013.

Anúncios
Categorias: Heróis, Outros | Tags: , , , , , , | Deixe um comentário

Amazonas

Head of a Wounded Amazon of the Capitol-Mattei type. Marble. Copy after original by Phidias. Head is a copy from Polyclitus' original. At Museus Capitolinos.

Amazona Ferida, cópia em mármore da obra de Fídias, Museus Capitolinos, Roma.

Ἀμαζών (Amadzón), Amazona, vocábulo usado mais comumente no plural Ἀμαζόνες (Amadzónes), Amazonas, sempre foi interpretado pela etimologia popular como formado por um ἀ- (a- privativo), não, e μαζός (madzós), seio, uma vez que essas guerreiras, dizia-se, amputavam o seio direito para melhor manejar o arco, deixando, as mais das vezes, o seio esquerdo descoberto. Fato, aliás, não confirmado pela iconografia, em que as Amazonas aparecem belas e de seios intactos. Ainda não se possui etimologia segurar para a palavra.  Uma das hipóteses propostas com bastante fundamento é de que Amadzónes proviria do nome de uma tribo iraniana ha-mazan, propriamente “guerreiro”.

As Amazonas eram filhas de Ares, o cruento deus da guerra, e da ninfa Harmonia. Fundaram, sob a inspiração do pai e da deusa Ártemis, um reino belicoso, composto quase que exclusivamente por mulheres, que habitavam os píncaros do Cáucaso ou a Trácia, o Ponto Euxino ou ainda a Cítia ou a Lídia. Os homens, que porventura existissem em seu território, eram empregados em trabalhos servis. Para perpetuar e ampliar a comunidade, mantinham relações sexuais apenas com adventícios. Os filhos homens eram emasculados, mutilados, cegados, e empregados, quando não eliminados, em serviços inferiores.

Há vários mitos que relatam duros combates travados por heróis contra as temíveis filhas de Ares. Uma das provas impostas por Iobates a Belerofonte foi a de combatê-las, empresa de que se saiu aliás muito bem, causando uma verdadeira devastação nas fileiras das comandadas pela rainha Hipólita.

O nono trabalho de Héracles, imposto por Euristeu, foi o de buscar o cinturão da rainha das amazonas. Tendo chegado ao porto de Temíscira, em cujo arredores residiam as guerreiras, a rainha concordou em entregar-lhe o cinto, mas a deusa Hera, disfarçada de amazona,  suscitou grave querela entre os companheiros do herói, entre os quais estava Teseu, e as habitantes de Temíscira. Pensando ter sido traído por Hipólita, Héracles a matou. Foi no decorrer dessa luta, relata uma variante, que Teseu, por seu valor e desempenho, recebeu do herói argivo, como recompensa, a amazona Antíope.

Riding Amazone. Side B of an Attic red-figure neck-amphora, ca. 420 BC.

Amazona cavalgando, lado B de uma ânfora ática (~420 a.C.), Staatliche Antikensammlungen, Munique.

Segundo outra versão, Héracles fez Melanipe de refém e exigiu da rainha Hipólita o seu cinturão, enquanto Teseu raptou Antíope e fez dela sua esposa. As amazonas invadiram Atenas para resgatar Antíope. A batalha decisiva foi travada nos sopés da Acrópole e, apesar da vantagem inicial, as guerreiras não resistiram e foram vencidas por Teseu. Antíope, por amor, pereceu lutando ao lado do marido contra suas próprias irmãs.

Existe ainda uma terceira variante. A invasão da Ática pelas amazonas não se deveu ao rapto de Antíope, mas ao abandono desta por Teseu, que a repudiara, para se casar com a irmã de Ariadne, Fedra. A própria Antíope comandara a expedição e tentara, à base da força, penetrar na sala do festim, no dia mesmo das novas núpcias do rei de Atenas. Como fora repelida e morta, as amazonas se retiraram. Conta-se ainda que estas, comandadas por sua então rainha Pentesileia, enviaram a Troia um contingente de guerreiras em auxílio dos troianos. Pentesileia, todavia, caiu sob os golpes de Aquiles e ficou tão bela na morte, que o herói se comoveu até as lágrimas. O deformado e contestador Tersites ridicularizou-lhe a ternura e ameaçou furar à ponta de lança os olhos da rainha. Aquiles, num acesso de raiva, matou-o a murros.

A deusa protetora das amazonas era naturalmente Ártemis, a arqueira virgem, com quem as filhas do deus da guerra têm muito em comum, não só por seu desdém pelos homens, mas sobretudo por sua vocação de guerreiras e caçadoras. A elas se atribuía, por isso mesmo, a fundação da cidade de Éfeso e a construção do templo gigantesco e riquíssimo consagrado à irmã de Apolo.

Amazona se preparando para a batalha, por Pierre-Eugene-Emile Hebert (1860)

Amazona se preparando para a batalha, por Pierre-Eugene-Emile Hebert (1860), National Gallery of Art, Washington D.C.

Referência:

BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.1. Petrópolis: Vozes, 2008.

Categorias: Deuses, Heróis | Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

IX. O cinto de Hipólita

Em Micenas, uma nova ordem aguardava o herói: ele devia trazer o cinto de Hipólita, rainha das amazonas. Mais uma vez, tratava-se de uma ideia de Hera.

A deusa estava mais irritada que Euristeu por ver que Héracles lograva êxito em todos os trabalhos que lhe imputava. Alguma coisa mais difícil tinha de ser encontrada. Foi por isso que ela pensou nas amazonas, e o cinto de Hipólita lhe veio à mente. Hera se lembrou de que Admete, a filha do rei, era sacerdotisa de seu templo. Assim, podia facilmente incutir na moça o desejo de possuir o cinto da rainha das amazonas. Na primeira vez que a princesa foi ao templo de Hera em Argos, a deusa apareceu diante dela e disse:

– Admete, filha de Euristeu, existe um cinto mágico que é usado por Hipólita, a famosa rainha das amazonas. Ela o ganhou de Ares, rei da guerra, e ele é o símbolo da autoridade e do poder. Você mesma poderia usá-lo, se pedisse a seu pai que mandasse Héracles buscá-lo.

Admete ficou encantada com a ideia de ter aquele cinto, e Euristeu ficou mais encantado ainda quando a filha pediu-lhe aquele favor. Sem perder um minuto, ele chamou Copreu e transmitiu sua ordem.

Quando Héracles recebeu a ordem de executar essa tarefa, soube quão difícil seria. Novamente decidiu fazer a viagem por mar, com um grupo de bravos companheiros, e uma vez mais famosos heróis da Grécia mostraram-se dispostos a arriscar suas vidas ao lado de Héracles. Entre eles estava Teseu, o grande herói de Atenas, Iolau, sobrinho de Héracles, o valente jovem Télamon de Salamina e Peleu, que mais tarde se tornaria pai de Aquiles.

 Seu navio a vela pôs-se ao mar com um vento bom e fez sua primeira escala na ilha de Paros, onde eles também enfrentariam o primeiro perigo.

Naquela ocasião, o rei da ilha, que fica nas Cíclades, era um certo Alceu e, no dia em que o navio de Héracles aportou, os três filhos do rei Minos estavam lá como seus hóspedes, homens orgulhosos, rudes e nada hospitaleiros. Como não havia mais água a bordo, Héracles enviou dois de seus companheiros à terra para encher os potes. Lá, a despeito das leis sagradas que protegiam os estrangeiros carentes de alimentos ou água, foram atacados e mortos traiçoeiramente pelos filhos de Minos.

Héracles testemunhou a cena do convés e, numa explosão de ira e indignação, saltou para a terra, seguido pelos companheiros. Os filhos de Minos pagaram pelo crime com suas vidas, mas a luta logo se transformou  numa batalha com os habitantes da ilha, que foram obrigados a recuar. Quando os habitantes de Paros perceberam que tinham começado uma guerra contra o poderoso Héracles, logo admitiram o erro. Dois arautos subiram nas muralhas e tocaram as trombetas indicando que queriam falar. Depois, um deles disse bem alto:

– Héracles, filho de Anfítrion, nosso rei Alceu não desejou esta guerra. Ele ficou muito sentido quando soube que havia eclodido um conflito entre nós e que os filhos de Minos tinham matado seus dois homens. Propõe agora que você escolha dois habitantes da ilha, os mais valentes que encontrar, e leve-os com você em sua expedição.

A resposta de Héracles surpreendeu a todos:

– Escolho o rei Alceu e seu irmão Estênelo. Esses dois são, eu creio, os homens mais corajosos dentre vocês.

Um silêncio sepulcral seguiu-se a essas palavras. Ninguém sabia o que poderia acontecer. Mas logo o grande portão do castelo se abriu e Alceu e Estênelo saíram num passo decidido, postando-se atenciosamente diante de Héracles. Em vez de ordens, o herói abraçou os dois, companheiros jovens e valentes tomavam o lugar dos que haviam morrido e logo o navio largou velas para a terra das amazonas.

Viajando para o norte, passaram pelo Helesponto e pelo Bósforo e saíram no mar Negro. Seguindo a costa da Ásia Menos, aportaram em Mísia, onde o rei Lico os recebeu calorosamente. Um banquete foi oferecido no grande salão do palácio. Eles comiam e bebiam, fazendo brindes uns aos outros, quando um soldado esbaforido entrou no salão e informou ao rei que os bébrices haviam invadido o país. Todo os companheiro puseram-se de pé. Lico olhou consternado para seus nobres, que tinham ficado pálidos. Todos entraram em pânico, mas Héracles interrompeu os gritos de desespero, encorajou-os e preparou-se para lutar junto deles.

Héracles e seus companheiros foram para fora do palácio, de encontro ao inimigo. Logo estavam no meio da batalha. Com seu aparecimento, os eventos tomaram outro rumo. O vigor do ataque dos heróis espalhou o pânico entre os bébrices e reanimou a coragem dos homens de Lico. O inimigo foi derrotado, seu rei morto, e uma grande parte do país foi cedido a Mísia. Em gratidão, Lico chamou a região de Heracleia. Chegando o momento de retornarem a missão, Lico deu aos corajosos aventureiros tantas provisões quantas couberam em seu navio, e uma grande multidão se postou no porto, oferecendo-lhes uma despedida digna de deuses.

O navio de Héracles zarpou e, depois de longa jornada, chegou à foz do rio Térmodon. Logo que o adentraram, os heróis avistaram Temíscira, capital das amazonas. Héracles inclinou-se sobre a cana do leme e estudou a cidade, enquanto o navio chegava mais perto. Ele tinha ouvido muitas histórias sobre as amazonas.


Amazona preparando para a batalha, por Pierre-Eugene-Emile Hebert (1860)

Amazona preparando para a batalha, por Pierre-Eugene-Emile Hebert (1860)

Sobre as amazonas:
Dizia-se que a primeira delas era filha do deus da guerra, Ares. Elas herdaram suas habilidades marciais e ensinaram-nas a seus filhos, ou melhor, filhas. Porque elas deixavam seus filhos do sexo masculino exclusivamente para as tarefas domésticas, enquanto usavam o seu tempo para aprender a lutar com a espada, lança e arco, montadas em cavalos velozes. Tornaram-se famosas em todo o mundo. Nenhum exército lhes podia resistir. Fizeram expedições em toda a Ásia Menor e no Cáucaso. Aventuraram-se pelo sul, chegando até a Síria e, pelo oeste, chegaram à Trácia e às ilhas do mar Egeu. Diz-se até que atingiram a Líbia. Os habitantes de muitas cidades, dentre as quais Éfeso, Esmirna, Cirene, Mirina e Sinope, proclamam com orgulho que suas cidades foram fundadas pelas amazonas. Naquela ocasião, essas mulheres belicosas viviam na região que circundava o rio Térmodon. Estavam distribuídas em três tribos e tinham três cidades, sendo Temíscira sua capital, governada por Hipólita. As outras duas eram governadas por Melanipe e Antíope.


O navio de Héracles já margeava as terras onde uma multidão de amazonas se formara. Talvez fosse a mera curiosidade que as levara até lá, talvez fosse um pressentimento…

Aquela expedição desde o começo não agradava Héracles. Ele não desejava guerrear contras as amazonas para arrebatar-lhes algo que lhes pertencia legitimamente, ou melhor, à sua rainha.

O navio ancorou. Héracles foi o primeiro a chegar em terra firme. Hipólita estava no meio da multidão, e o herói distinguiu-a de pronto. Ela também sabia quem era o austero forasteiro que saíra do navio resolutamente, porque as peripécias de Héracles tinham tornado seu nome famoso em todo o mundo. Para mostrar sua grande consideração por ele, Hipólita desceu de seu cavalo, saudando o herói.

Quando Héracles viu a rainha de perto, ficou atônito pois a pele de Hipólita, queimada pelo sol, tinha um tom de bronze intenso, e suas pernas e braços eram musculosos. Era difícil encontrar até mesmo homens de uma estrutura forte como aquela! Todas as amazonas também se mostravam robustas. Os companheiros do herói ficaram de olhos arregalados, estarrecidos.

Os dois se cumprimentaram com um aperto de mão e Herácles explicou a que vinha. Hipólita ficou espantada quando ouviu toda a história. Depois, fez-se um silêncio sepulcral. Todos aguardavam a réplica da rainha. Por fim, Hipólita concordou em entregar o cinto para que o herói levasse a Euristeu.

Nesse momento Hera impediu que Hipólita renunciasse a seu cinto. Ela se transformou numa amazona e, justamente quando a rainha estendia o cinto para Héracles, gritou: “Não devemos entregar o cinto. Este homem veio para levar nossa rainha e deve morrer!”.

Hipólita puxou sua mão para trás, enquanto gritos de guerra explodiam entre as amazonas. A luta foi inevitável, pois as amazonas começaram a atacar o herói e seus companheiros.

Enfrentadas pelos heróis unidos, aquelas mulheres beligerantes finalmente experimentaram a derrota e tombaram. Mas não antes que Héracles fizesse Melanipe sua prisioneira e Antíope fosse capturada por Teseu. Vencidas, afinal, as amazonas imploraram paz. Hipólita adiantou-se para falar com Héracles, mas estava tão arrasada que não conseguiu dizer nenhuma palavra. Então o herói impôs seus termos:

– Você me dará seu cinto e Melanipe será solta. Isso eu garanto porque ela é prisioneira só minha. Quanto a Antíope, foi Teseu que a capturou e não tenho direito de ordenar sua libertação. Ele a levará para Atenas.

Hipólita aceitou, Héracles pegou o cinto, Melanipe foi solta e Antíope foi levada pelo herói ateniense.

Os sobreviventes subiram a bordo e tomaram o longo percurso de volta. Herácles e os outros camaradas içaram velas rumo a Micenas. Quando chegaram ao porto, os outros heróis se despediram e cada um se dirigiu para a sua terra natal; ao passo que Héracles, com o cinto nas mãos, seguiu para o palácio de Euristeu.

Apesar do medíocre rei ter proibido os herói de aparecer em sua presença, Héracles entrou sem que ninguém o impedisse. Marchou diretamente para o grande salão, abriu sozinho o portão duplo e entrou, levando o cinto de Hipólita. A primeira pessoa que pôs os olhos nele foi Admete e, quando viu o que o herói tinha nas mãos, deixou exclamar-se a agradável surpresa que a tomara. O rei Euristeu voltou-se para saber a razão da alegria da filha e quase desfaleceu. O nono trabalho estava cumprido.

9th labor of Hercules - the belt of hippolyte by Pierre Salsiccia

O cinto de Hipólita, por Pierre Salsiccia

Referência:

STEPHANIDES, M. Hércules. Trad. MICHAEL, Marylene P. São Paulo: Odysseus, 2005.

Categorias: Heróis, Outros | Tags: , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Héracles – os doze trabalhos

Após cometer o terrível crime contra a sua prole, Héracles é incumbido de realizar doze grandes trabalhos a serviço do rei de Micenas, Euristeu, como meio de obter sua redenção e conseguir o perdão dos deuses.
São eles:

I. Leão de Nemeia
II. Hidra de Lerna
III. As aves do Estínfalo
IV. O Javali de Erimanto
V. A Corsa Cerinita
VI. Os estábulos de Áugias
VII. O Touro de Creta
VIII. Os cavalos de Diomedes
IX. O cinto de Hipólita
X. O gado de Gérion
XI. Os pomos das Hespérides
XII. Cérbero

Referência:

STEPHANIDES, M. Hércules. Trad. MICHAEL, M. P. São Paulo: Odysseus, 2005.

Categorias: Criaturas, Heróis | Tags: , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Pensamentos Flutuantes

Entre devaneios e realidade, ideias ascendentes

%d blogueiros gostam disto: