Posts Marcados Com: Atena

Helena

Έλένη (Heléne), Helena, proveio da raiz indo-europeia suel “brilhar”, como se poderia ver pelo grego σέλας (sélas), “brilho, luz”. Helena teria sido, a princípio, “uma deusa luminosa”, irmã dos Dióscuros Castor e Pólux, acompanhantes de Aurora, tendo-se convertido depois numa deusa da vegetação. Há os que tentam explicar Έλένη (Heléne) com o forma latina uenenum, cujo sentido primeiro é “filtro”. Pretendeu-se ainda ligar-lhe o nome a ἑλενίον (helénion), planta que a filha de Zeus manipulava como anestésico. Contudo, esta são apenas especulações, não se conhece a etimologia do no Helena.

Leda e o Cisne, por Cesare da Sesto (1505–1510)

Leda e o Cisne, por Cesare da Sesto (1505–1510).

Na epopeia Homérica Helena é filha de Zeus e de Leda, tendo por pai “humano” a Tíndaro, por irmãos os Dióscuros Castor e Pólux e por irmã a Clitemnestra. Segundo os Cantos Cíprios Zeus apaixonara-se por Nêmesis. Esta, para fugir-lhe à perseguição, percorreu terras, mares e céus, assumindo todas as formas possíveis, inclusive a de peixe. Já cansada, metamorfoseou-se em gansa. Zeus transformando-se em cisne, uniu-se a ela. Por força dessa conjunção sagrada, Nêmesis pôs um ovo, que, encontrado por um pastor, foi entregue a Leda. A esposa de Tíndaro o guardou num cesto e um tempo depois nasceu Helena.

A tradição que faz de Leda mãe de Helena, metamorfoseada também em gansa, acrescenta que Zeus,igualmente sob a forma de cisne, fê-la pôr um ovo, do qual nasceu Helena. Segundo outra versão, foram dois ovos (um formado pelo sêmen de Tíndaro e outro pelo de Zeus), nascendo, em consequência, do primeiro Castor e Clitemnestra, mortais; do segundo, Pólux e Helena, imortais. Mitógrafos de épocas mais tardias fazem-na filha de Oceano ou ainda de Afrodite e dão-lhe por irmãs, além de Clitemnestra, a Timandra e Filônoe.

Helena não foi raptada apenas uma vez, mas duas. O mito da esposa de Menelau é deveras confuso e complexo. Inúmeras variantes posteriores a Homero parecem encobrir o sentido primitivo do mitologema. Pois bem, essa personagem mítica especial, Helena, foi raptada, uma primeira vez, pelo herói ateniense Teseu, que a conduziu a Afidna, na Ática, e a confiou à sua mãe Etra. Mas quando Teseu e seu amigo inseparável, Pirítoo, desceram ao Hades para raptar Perséfone, deusa essencialmente da vegetação, os Dioscuros atacaram Afidna, levando de volta sua irmã e como cativa a mãe de Teseu, Etra, que, como já se viu, foi conduzida para Tróia por Helena, quando de seu segundo rapto por Páris.

Ora, todos os fatos acima narrados acerca do nascimento da rainha de Esparta, sempre tendo, de um lado, por pai um deus da fecundação e por matriz um ovo, e, de outro, as fugas constantes de “suas mães”, Nêmesis e Leda e “seus raptos” por Teseu e Páris, parecem levar a uma só conclusão: Helena teria sido primitivamente uma deusa ctônia e, por conseguinte, uma deusa da vegetação, uma guardiã dos ovos, das sementes depositadas no seio da terra. Como tal, uma vítima destinada ao rapto. Com o tempo, “a deusa Helena”, suplantada por outras divindades da vegetação mais importantes, teria caído no esquecimento e passado à classe das heroínas, fato comum e bem atestado na mitologia.

Voltando ao primeiro rapto de Helena. Com a morte de sua segunda esposa Fedra, Teseu associou-se a Pirítoo, igualmente viúvo de Hipodâmia. Os dois heróis, filhos respectivamente de Posídon e Zeus, resolveram que só se casariam dali em diante com filhas do pai dos deuses e dos homens e, para tanto, decidiram raptar Perséfone, esposa de Plutão, e Helena. Dirigiram-se primeiramente à Esparta, quando então se apoderaram à força da menina, Castor e Pólux, saíram-lhes ao encalço, mas detiveram-se em Tegeia. Uma vez em segurança, Teseu e Pirítoo tiraram a sorte para ver que ficaria com a princesa espartana, comprometendo-se o vencedor ajudar no rapto de Perséfone. A sorte favoreceu o herói ateniense, mas como Helena fosse ainda impúbere, Teseu a levou secretamente para Afidna, demo da Ática, e colocou-a sob proteção e guarde de sua mãe Etra. Isso feito, desceram ao Hades para conquistar Perséfone.

Durante a prolongada ausência do rei ateniense, Castor e Pólux invadiram a Ática e souberam por um certo Academo onde a irmã havia sido escondida. Imediatamente os dois herói de Esparta marcharam contra Afidna, recuperaram a jovem princesa e levaram Etra, mãe de Teseu, como escrava.

Algumas tradições, certamente tardias, insistem que Helena, já era inúbil e teve com Teseu uma filha chamada Ifigênia. Como quer que seja, tão logo retornou a Esparta, Tíndaro acho melhor dá-la em casamento. A “mais bela das mulheres” foi logo cercada por um verdadeiro enxame de pretendentes. Os mitógrafos conservaram-lhes os nomes e seu número varia de vinte a noventa e novo. Dos mais famosos heróis da Hélade só não consta, por óbvio, Aquiles, que é afinal, como se mostrou em Helena, o eterno infinito, o outro lado de Helena. Tíndaro, não sabendo como proceder, ouviu o conselho do solerte Ulisses, exigindo dos pretendentes dois juramentos: que respeitassem a decisão de Helena na escolha do noivo e que socorresse o eleito, se este fosse atacado ou sofresse afronta grave.

Este juramento será invocado por Menelau algum tempo depois e obrigará todos os grandes heróis gregos a participarem da Guerra de Troia.

Helena e Menelau, por Goethe-Tischbein (1816)

Helena e Menelau, por Goethe-Tischbein (1816).

Tíndaro, para compensar o conselho salutar de Ulisses, conseguiu-lhe junto ao irmão Icário a mão de Penélope, prima, por conseguinte, de seus filhos Castor e Pólux, Helena e Clitemnestra.

Helena escolheu Menelau e dessa união nasceu logo uma menina, Hermione, mas os mitógrafos acrescentam que Helena deu à luz também à um menino, Nicóstrato, após ter o casal retornado de Troia. Uma variante dá à criança o nome de Megapentes, que teria nascido, com pleno assentimento de Helena, da união de Menelau com uma escrava, a fim de que o reino de Esparta tivesse um sucessor e o culto familiar não fosse interrompido.

Sendo a rainha espartana a mulher mais bela do mundo, Afrodite, para ganhar o pomo da discórdia, que lhe outorgava o título de “a mais bela entre as deusas”, prometeu-a a Páris. Foi assim que Páris e Eneias, guiados pela bússola de Afrodite, vão ter ao Peloponeso, onde os tindáridas (dióscuros) Castor e Pólux os acolhem com todas as honras devidas.  Após alguns dias em Amiclas, foram conduzidos a Esparta. O rei Menelau os recebeu segundo as normas da sagrada hospitalidade e lhes apresentou Helena. Dias depois, tendo sido chamado, às pressas, à ilha de Creta, para assistir aos funerais de seu padrasto Catreu, deixou os príncipes troianos entregues à solicitude de Helena.

The Love of Helen and Paris, by Jacques-Louis David (1788), Louvre

O amor de Helena e Páris, por Jacques-Louis David (1788), Museu do Louvre.

Bem mais rápido do que se esperava, a rainha cedeu aos reclamos de Alexandre: era jovem, formoso, cercava-o o fausto oriental e tinha a indispensável ajuda de Afrodite. Apaixonada, a vítima da deusa do amor reuniu todos os tesouros que pôde e fugiu com o amante, levando vários escravos, inclusive a cativa Etra, mãe de Teseu, a qual fora feita prisioneira pelos Dioscuros, quando do resgate de Helena, raptada por Teseu e Pirítoo. Em Esparta, porém, ficou Hermione, que então contava apenas nove anos.

Recebendo de Íris, a mensageira dos imortais, a notícia de tão grande desgraça, voltou o rei apressadamente a Esparta. Por duas vezes, sem desprezar a companhia do sagaz Ulisses, Menelau visitou em embaixada a fortaleza de Troia, buscando resolver pacificamente o grave problema. Por isso mesmo, apenas pleiteou Helena, os tesouros e os escravos levados pelo casal. Páris, além de se recusar a entregar a amante e os tesouros, tentou secretamente convencer os troianos a matarem o rei de Esparta. Com a negatividade de Alexandre e a traição de Menelau, a luta se tornou inevitável: era a guerra, planejada por Zeus a conselho de Têmis-Momo, pelo equilíbrio demográfico da terra, uma carnificina para purgar tantas e tantas misérias dos homens, uma catástrofe em que tantos pereceriam “por causa de Helena”.

Embora a maioria dos autores concorde em que rainha espartana seguiu espontaneamente o príncipe troiano, porque se apaixonara por ele, outro julgam que ela foi levada à força ou que Afrodite travestira Páris de Menelau, para facilitar-lhe o rapto.

Acerca da viagem do casal de amantes para a Tróada, as tradições variam muito. A versão mais antiga e certamente a mais singela narra que a nau de Alexandre chegou a seu destino em três dias. Uma variante, no entanto, dá conta de que uma tempestade, desencadeada por Hera, protetora dos amores legítimos e inimiga de Afrodite, por causa da escolha de Páris no célebre concurso de beleza, lançou o barco troiano nas costas da Fenícia ou, mais precisamente, em Sídon. Apesar da fidalga acolhida que lhe foi dada, Páris, usando de astúcia, saqueou o palácio real e fugiu com seus companheiros. Perseguido pelos fenícios, vence-os em sangrenta batalha e navegou em direção à pátria. Uma outra versão relata que, temendo ser seguido por Menelau, o herói troiano fez demoradas escalas a Fenícia e na ilha de Chipre e, que só quando se certificou de que não estava sendo perseguido, se fez novamente no mar. Uma tradição meio estranha e narrada minuciosamente em Helena, o eterno infinito, conta que a deusa Hera, magoada e irritada com ter sido Helena preterida por Afrodite no concurso de beleza arbitrado por Páris, resolveu arrancar Helena dos braços do raptor. Confeccionou em nuvens um eídolon da esposa de Menelau e mandou que Hermes conduzisse para a corte do rei Proteu, no Egito, a verdadeira Helena.

Heródoto (Histórias, 2, 113-115) racionaliza a tradição e, em resumo, diz o seguinte: Páris, tendo raptado Helena, navegou célere em direção a Troia, mas os ventos contrários fizeram-no aportar no Egito. Acusado por seus próprios servidores de haver injuriado Menelau, raptando-lhe a esposa e muitos tesouros, o rei Proteu reteve Helena no Egito, para devolvê-la posteriormente a seu legítimo consorte. A Páris foram concedidos três dias para que deixasse o país, sob pena de ser considerado inimigo. Desse modo, Alexandre chegou sozinho em Ílion e fez-se uma guerra de dez anos, com seu cortejo de morte e destruição, por uma mulher que jamais pisaram em Troia.

Todas essas digressões míticas têm por objetivo inocentar a princesa espartana e mostra que ela foi vítima e instrumento de um destino que lhe ultrapassava a vontade. Tais relatos remontam claramente à tão destacada “palinódia” de Estesícoro. Com efeito, o poeta Estesícoro (séc. VII-VI a.C.), tendo injuriado Helena, em uma poema homônimo, ficara cego. Mas um certo Leônimo de Crotona, no sul da Itália, tento visitado a Ilha Branca, no Ponto Euxino, onde Helena vivia feliz ao lado de Aquiles, ouviu vozes estranhas. Essa lhe ordenavam navegar até Hímera, na Sicília, cidade do “poeta caluniador” e dizer-lhe que a cegueira se devia à cólera de Hera e que sua cura dependia de uma retratação. O poeta, de imediato, compôs uma palinódia, afirmando que Páris levara para Troia apenas um eídolon, um espectro, de Helena e não a verdadeira esposa de Menelau, e recuperou imediatamente a visão.

Nos poemas homéricos, todavia, a rainha de Esparta viveu realmente em Troia como esposa de Alexandre e depois de Deífobo, enquanto durou a guerra. Era condenada por quase todos, menos por Príamo e Heitor, que viam na amante de Páris uma vítima de Afrodite. Os outros membros da família real e o povo, entretanto, detestavam-na, julgando-a culpada pela catástrofe que ameaçava Ílion.

Often she would stand upon the walls of Troy, por Walter Crane

“Muitas vezes ela ficava em cima das muralhas de Troia”, por Walter Crane.

Os troianos estavam cobertos de razão quando desconfiavam da fidelidade da bela espartana à causa de Ílion. Se no canto terceiro Helena aparece as muralhas de Troia, e a pedido de Príamo aponta os heróis aqueus, nomeando a cada um e a saudade da pátria provoca-lhe as lágrimas, bem mais tarde ela se aproxima do cavalo de madeira e imita as vozes das esposas dos guerreiros que se encontravam no bojo da máquina fatal. O objetivo era incentivá-lo e encorajá-los para que destruíssem o mais depressa possível a cidadela asiática e pudessem retornar ao lar.

Uma versão posterior a Homero insiste numa rápida entrevista entre Aquiles e Helena, negociada por Tétis e Afrodite. O herói ficou muito impressionado com a beleza de Helena, mas teria que esperar ainda um pouco até um novo e definitivo encontro na Ilha dos Bem-Aventurados.

Com a morte de Páris, três filhos de Príamo, Idomeneu, Heleno e Deífobo, disputaram a mais bela das mulheres. O rei prometeu-a ao que fosse mais bravo na luta contra os aqueus e Deífobo teve a honra de recebê-la como esposa. Heleno, magoado, refugiou-se no monte Ida. Preso pelos helenos, fez-lhes uma grande revelação: Ílion não poderia ser tomada, enquanto lá estivesse o Paládio, a pequena estátua de madeira de Atena, guardiã das acrópoles.

Helena já arrependida de haver seguido a Páris, era a grande combatente aqueia dentro as muralhas de Troia. Por duas vezes salvou a vida de Odisseu e ainda o ajudou a furtar o Paládio.

Desejando penetra como espião em Ílion, Odisseu, para não ser reconhecido, fez-se chicotear até o sangue por Troas. Ensanguentado e coberto de andrajos, apresentou-se na cidadela como trânsfuga. Conseguiu furtivamente chegar até Helena e a teria convencido a trair os troianos. Relata-se igualmente que a esposa de Deífobo denunciara a Hécuba a presença do herói aqueu, mas este, com suas lágrimas, suas manhãs e palavras artificiosas, teria convencido a rainha a prometer que guardaria segredo a seu respeito. Desse modo foi-lhe possível retirar-se ileso, matando antes as sentinelas que guardavam a entrada da fortaleza.

Mais tarde, o mesmo herói, igualmente disfarçado, mas agora acompanhado de Diomedes, penetrou de novo em Ílion. Dessa vez, Helena não apenas se calou, mas cooperou para o furto do precioso Paládio e concertou com o esposo de Penélope a tática final para a entrega de Ílion aos aqueus.

Foi ela que agitou os fachos acesos, sinal combinado para que as naus gregas, escondida em Tênedos, regressassem e os helenos, sem perda de tempo, pudessem invadir Ílion, que dormia tranquila, após arrastar o cavalo de madeira, com o interior cheio de heróis gregos, para dentro de seus muros.

Agindo com presteza, escondeu as armas de Deífobo, para que o marido não pudesse defender-se. Com tantos serviços prestados a seus compatriotas, aguardou despreocupada o reencontro com o primeiro esposo.

Hllen of Troy, by Evelyn de Morgan (1898)

Helena de Troia, por Evelyn de Morgan (1898).

Tão logo entrou em Ílion, Menelau dirigiu-se ao palácio real e matou o derradeiro amante da esposa. Quando ergueu a espada para golpeá-la também, esta se lhe mostrou seminua, fazendo com que a arma lhe tombasse das mãos. Conta-se ainda que, temendo a ira de Menelau, ela se teria refugiado no templo de Afrodite e de lá, após muitas súplicas e explicações, conseguira reconciliar-se com ele. Há, porém, mitógrafos que insistem na tentativa de lapidação da filha de Tíndaro pelos aqueus, inconformados com a sobrevivência de uma adúltera consumada. Salvou-a mais uma vez a beleza: no confronto com Helena, as pedras caíram das mãos dos amotinados.

Outra versão, talvez mais antiga, atesta que, após a destruição da fortaleza dos priâmidas, Ájax pediu a morte de Helena como pena de seu adultério. Tal proposta provocou a ira dos atridas Agamêmnon e Menelau. Odisseu, com sua astúcia, salvou a rainha de Esparta e devolveu-a a Menelau.

O retorno do rei e da rainha de Esparta, agora reconciliados, foi um odisseia. Os grandes heróis, como Héracles, Perseu, Jasão, Teseu, e Odisseu passam sempre por uma purgação no sal de Posídon. Foi assim que os reis de Esparta, após dois anos de peregrinação pelo Mediterrâneo oriental, foram lançados por um naufrágio no Egito.

Canobo ou Canopo, piloto da nau do rei espartano, morrera picado por uma serpente. Após os solenes funerais do fiel servidor, tornando herói epônimo da cidade de Canopo, Helena matou o réptil e extraiu-lhe o veneno. Hospitaleiramente recebidos pelo faraó Ton ou Tônis, não durou muito a cortesia. Numa curta ausência do marido, Helena passa a ser cortejada pelo soberano, que acaba por tentar violentá-la. Menelau, ao retornar, mata-o. Uma outra versão atesta que o rei de Esparta, tento partido para a Etiópia, confiou a Tônis a esposa, mas Polidamna, mulher do rei egípcio, percebendo o assédio do rei a Helena, enviou-a a ilha de Faros, fornecendo-lhe, porém, uma erva maravilhosa que a protegeria das inúmeras serpentes que infestavam a ilha. Tal erva, por causa de Helena, teria recebido o nome de έλένιον (helénion).

As passagens dos reis lacônicos pelo Egito explica-se ainda por uma outra versão; saudosa de Menelau, Helena teria convencido o piloto de Faros a conduzi-la de Troia para Lacedemônia, mas uma grande tempestade a faz desviar-se para o Egito, onde o piloto perece, picado por uma serpente. Helena, após sepultá-lo, deu-lhe o nome à ilha de Faros, na embocadura do Nilo. Mas tarde, terminada a Guerra de Troia, Menelau encontrou-a no Egito.

Segundo o relato de Eurípides na tragédia Orestes, Menelau e Helena, antes de chegar a Esparta, passam por Argos, no exato dia em que Orestes matara sua mãe Clitemnestra. Ao ver Helena, investiu contra ela, acusando-a de responsável por todas as calamidades acontecidas. A rainha foi salva, pela intervenção de Apolo, que lhe antecipa a apoteose e a imortalidade, como filha de Zeus. Ao cabo de oito anos de padecimentos, em terra e mar, lograram chegar a Esparta, onde Helena se tornou exemplo de todas as virtudes domésticas.

Uma versão tardia, talvez oriunda da Ilha de Rodes, atribui à vida de Helena um fecho integralmente diverso do relado acima. Com a morte de Menelau, conta Pausânias, seus dois filhos Nicóstrato e Megapentes resolveram banir a mãe e madrasta como punição por seus “inúmeros adultérios”. Helena se refugiara na ilha de Rodes, na casa de sua grande amiga Pólixo, cujo marido perecera em Troia, lutando ao lado dos aqueus. Pólixo, que culpava a rainha de Esparta pela morte do esposo, fingiu recebê-la hospitaleiramente, a fim de ganhar tempo para a vingança planejada. Após exercitar bem suas escravas, disfarçou-as em Erínias e ordenou-lhes apavorar e castigar fisicamente Helena, enquanto esta estivesse no banho. O plano foi tão bem executado, que a hóspede se enforcou.

Bust of Helen of Troy by Antonio Canova at Victoria and Albert Museum

Busto de Helena de Troia, por Antonio Canova.

Tradições ainda recentes asseveram que Helena fora sacrificada por Ifigênia, que servia como sacerdotisa de Ártemis, em Táurida, o que traduziria uma “vingança poética” pelo sacrifício a Ártemis de Ifigênia, em Áulis.

Outros mitógrafos asseguram que Tétis, inconformada e inconsolável com a morte de Aquiles “por causa de Helena”, a teria assassinado, quando do tumultuado retorno da tindárida a Esparta.

Helena, consoante poetas e mitógrafos gregos e latinos, teria sido mãe de nove filhos: três mulheres e seis homens. Com Menelau tivera Hermione e Nicóstrato; com Teseu, Ifigênia; com Alexandre ou Páris dera à luz Helena, Búnico, Córito, Ágano, Ideu; e finalmente com Aquiles deu ao mundo o herói Eufórion.

Dos filhos que tiveram com Páris nenhum sobreviveu: Helena foi assassinada por Hécuba e os quatro jovens morreram soterrados por um teto que desabou durante o saque e incêndio de Troia pelos aqueus.

Referências:
BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.1. Petrópolis: Vozes, 2008.
BRANDÃO, J. S. Mitologia Grega v.1. Petrópolis: Vozes, 2013.
MOSSÉ, C. Dicionário da Civilização Grega. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.
STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Anúncios
Categorias: Deuses, Mortais | Tags: , , , , , , , , | Deixe um comentário

Perseu e Polidectes

Perseus Delivering Medusa's Head (1892) by Walter Crane

Perseu mostrando a cabeça da Medusa a Polidectes, por Walter Crane.

Após muito feitos, era hora de Perseu retornar à Grécia com a recém desposada Andrômeda. Quando chegaram na ilha Sérifos, o herói foi primeiro à modesta casa de Díctis procurar sua mãe. Abriu a porta e entrou. Díctis ficou surpreso ao vê-lo outra vez e ajoelhou-se beijando-lhe as mãos. Perseu disse que trazia consigo a cabeça da górgona Medusa, como havia prometido, e quis logo saber onde estava sua mãe, Dânae. Díctis informou-lhe que seu irmão Polidectes a mantinha como prisioneira.

Perseu não perdeu um só instante e foi encontrá-lo. Avistou-o em um terraço ao lado do palácio, a beber, comer e farrear com os amigos. Mas surgiu Perseu, todos ficaram embasbacados. Ninguém esperava rever o herói, muito menos Polidectes, que, ao reconhecê-lo, gritou: – Como ousa pôr os pés aqui novamente? Eu o mandei buscar a cabeça de Medusa!

Perseu disse que estava com a cabeça da górgona. Polidectes ouvindo essa resposta deu uma gargalhada. Imediatamente seus amigos o imitaram e todos juntos caçoavam do herói. E eram gargalhadas e zombarias, uma atrás da outra. Então, Perseu enfiou a mão na sacola e tirou a horrenda cabeça e disse: – Eis aqui, já que não acreditam em mim!

Num instante, assim rindo e caçoando, todos ficaram petrificados, enchendo o lugar de estátuas. E dizem que, se hoje Sérifos tem muitas pedras, é porque vieram dessas estátuas, que pouco a pouco se fragmentaram.

Perseu, após libertar sua mãe, fez de Díctis rei da ilha e, em seguida, juntamente com Dânae e Andrômeda, voltou para Argos. Lá chegando, agradeceu à deusa Atena, que tanto o havia ajudado, e ofereceu-lhe a cabeça da Medusa. A deusa pôs a oferenda em sua égide. Depois, o herói tomou o rumo das ninfas estígias. Ao encontrá-las, devolveu-lhes as sandálias aladas, o capacete de Hades e a sacola mágica.

Athene receives the head of Medousa from Perseus. The hero is depicted as a young man, wearing the winged boots of Hermes and the cap of darkness on his head. Athene holds the Gorgoneion (Gorgon head) by its snaky locks

Perseu entregando a cabeça de Medusa a Atena. Cratera atribuída ao pintor Tarporley de Apúlia (400-385a.C.). Museu de Belas Artes de Boston, Massachusetts, EUA.

Referência:

STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Categorias: Heróis | Tags: , , , , , , , , | Deixe um comentário

O pequeno Héracles e as serpentes de Hera

Zeus havia confiada a Atena a tarefa de proteger o pequeno Héracles, e a deusa da sabedoria fez tudo que estava a seu alcance para ajudar a criança. Ela mandou sua coruja, o pássaro da sabedoria, velar o berço do menino, que, assim, adquiriu novos saberes a cada dia, a cada hora, sempre protegido pela ave atenta. Esta o guardava de todos os perigos e o abanava com suas asas nas noites quentes de verão.

Os gêmeos de Alcmena dormiam dentro de um escudo suspenso, o qual pertencera ao rei dos teléboas e fazia parte do butim que Anfítrion trouxera da batalha. Os dois irmãos brincavam frequentemente ali dentro, enquanto o escudo se balançava no ar; mas Héracles tinha tanta energia que um dia empurrou Íficles pela borda do berço. Alcmena ouviu seus gritos e correu a ver o que acontecera. Felizmente Íficles não se machucara. De todo modo, para ficar tranquila, a rainha abaixou o escudo e, a partir desse dia, deixou-o no chão. Mas a real medida da força do pequeno Héracles não se revelou até a primeira ameaça engenhada por Hera.

A oportunidade surgiu numa noite em que a coruja saiu de seu posto para punir um rato que estragara o bordado mais fino de Atena. Ao sair, naturalmente, a coruja advertiu Alcmena que tomasse conta de seus filhos; ela, então, pôs doze moças robustas para vigiá-los até que a sábia ave voltasse.

As criadas ficaram bordando no quarto das crianças. Porém, antes de começar a amanhecer, com as cabeças pendendo para a frente e os queixos encostados no colo, foram sendo vencidas pelo sono, uma a uma.

A última delas mal começava a cochilar, quando, pela porta entreaberta, deslizaram duas serpentes enormes enviadas por Hera numa missão assassina. Através da janela, a luz da Lua iluminava os bebês, e as duas serpentes dirigiram-se para o berço.

Mas o ruído de seu rastejar bastou para despertar o pequeno Héracles. Ele as viu de imediato e, pondo-se de pé preparou-se para enfrentar o perigo que o ameaçava. Seu movimento súbito acordou Íficles, que bateu os olhos nas serpentes e começou a gritar de pavor. Seus gritos acordaram as criadas que, ao verem as duas enormes serpentes, saíram correndo do quarto, gritando por socorro. Alcmena ouviu os gritos e acordou Anfítrion. Os guardas se alvoroçaram e logo todo o palácio se agitou. Com a espada na mão, Anfítrion entrou rapidamente no quarto das crianças, seguido pela esposa e por uma porção de soldados. A cena com que se depararam foi absolutamente inacreditável! Héracles estava estrangulando as duas enormes serpentes, que se contraíam e estremeciam sob o torniquete. Anfítrion desembainhou sua espada para matá-las, mas percebeu que já não era mais necessário. Héracles jogou seus corpos sem vida aos pés de seu aturdido padrasto, enquanto Íficles, como era natural, continuava a chorar de medo.

The Boy Hercules strangles the serpents by Pietro Benvenuti (1817-29)

Héracles estrangulando as serpentes (1817-29) fresco por Pietro Benvenuti, Palácio Pitti, Florença.

Assim se frustou a tentativa de Hera. E todos os que haviam presenciado a cena perceberam que aquela criança estava predestinada a realizar grandes feitos. Anfítrion, que até aquele momento não sabia qual dos meninos era seu filho, curvou-se, fazendo uma reverência ao filho de Zeus.

Referência:

STEPHANIDES, M. Hércules. Trad. MICHAEL, Marylene P. São Paulo: Odysseus, 2005.

Categorias: Deuses, Heróis | Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

O nascimento de Héracles parte III: nascem os gêmeos

Passaram-se nove meses, até que, uma noite, quando os deuses estavam comendo e bebendo nos brilhantes salões do Olimpo, Zeus levantou-se da mesa e anunciou que a primeira criança da linhagem de Perseu que nasceria naquela noite era seu filho, que esta se transformará no maior herói jamais visto antes, e todas as pessoas da Grécia se curvarão diante de sua vontade. Disse que seu nome será Héracles.

Quando ouviu essas palavras, Hera ficou doida de ciúme. Mais uma vez seu marido tinha gerado uma criança com outra mulher! Não se conteve e sussurrou algo no ouvido da ardilosa deusa Ate, que estava sentada a seu lado, depois virou-se para Zeus e retrucou exigindo que o esposo jurasse diante de todos os deuses que a primeira criança da linhagem de Perseu que nasceria naquela noite seria realmente o herói do qual falou, e que todas as pessoas da Grécia se curvariam diante de sua vontade.

Sem hesitar um só momento, sem suspeitar de nada, Zeus fez um juramento que nunca poderia ser quebrado. Ele jurou pelas águas sagradas do Estige que seria conforme havia dito.

Quando Hera ouviu o juramento do marido, sorriu maliciosamente. Acontece que, em Micenas, Nicipe, mulher de Estênelo, esperava um filho, e seu marido, assim como o pai de Alcmena, era filho de Perseu. Nicipe estava grávida havia apenas sete meses, mas isso não se afigurou um problema para Hera. Ela ordenou a Ilítia, deusa dos parto, que corresse a Tebas, prolongasse o trabalho de parto e as dores de Alcmena e, depois, fosse diretamente a Micenas, para trazer o filho de Nicipe a este mundo antes do tempo.

Birth of Heracles by Jean Jacques Francois Le Barbier

Nascimento de Héracles, por Jean Jacques Francois Le Barbier

As ordens de Hera foram cumpridas ao pé da letra e, assim, a despeito dos bem engendrados planos de Zeus, a primeira criança da linhagem de Perseu a nascer naquela noite foi Euristeu de Micenas, uma criatura tímida, fraca, empurrada para o mundo dois meses antes do tempo. Uma hora depois, nasceu Héracles, seguido imediatamente por outro menino, Íficles, gerado por Anfítrion.

Logo depois do nascimento de Héracles, Hera apresentou-se diante de Zeus e disse cheia de sarcasmo que a primeira criança da linhagem de Perseu que veio a nascer foi Euristeu, filho de Estênelo, rei de Micenas e que, de acordo com o juramento, Euristeu mandará e Héracles o obedecerá.

Zeus ficou mudo, de tão furioso. Todos os seus maravilhosos planos haviam malogrado. Era essa a terrível verdade – Euristeu mandaria e Héracles o obedeceria. Zeus mesmo jurara isso, pelas sagradas águas do Estige.

Desse modo, Hera burlou o grande senhor dos deuses e dos homens, e o anseio de gerações continuaria sendo um mero sonho, porque Euristeu não parecia de fato capaz de se tornar o verdadeiro líder de toda a Grécia.

A raiva de Zeus era imensa. Ele nem podia imaginar como caíra em tal armadilha. Mas, quando pôs os olhos em Ate, compreendeu tudo: ela turvara seu raciocínio e o pegara desprevenido; sem dúvida pagaria por isso! Agarrando a deusa pelos cabelos trançados, Zeus arremessou-a para fora do Olimpo com uma força tremenda. Desde aquele dia, a ardilosa Ate passou a viver na Terra, entre os homens e as mulheres. E todas as ações desleais dos mortais são atribuídas a sua insidiosa influência. Até hoje, na língua grega, a palavra para fraude significa “aquilo que vem de Ate”, já que a deusa é a personificação do erro.

Depois disso, Zeus dirigiu-se aos outros deuses e disse que havia feito um juramento sagrado e que não podia voltar atrás. Héracles não se tornaria o grande líder que a Grécia há tanto tempo necessita. Em vez disso, ele passará por tanta dor e sofrimento como nenhum outro jamais passara. Mas ele também realizará doze grandes trabalhos e muitos outros feitos maravilhosos e será exaltado e admirado como nenhum outro deus ou mortal jamais foi. E, quando sua vida na Terra chegar ao fim, será recebido no Olimpo. Tornará-se imortal e a própria Hera o aceitará como seu igual, fazendo as pazes com ele.

Hera ao ouvir isso disse a si mesma que aquilo nunca aconteceria, pela simples razão de que Héracles não viverá. Ela tomaria providências para que ele morresse enquanto ainda era um bebê. Mas, diferentemente do que previa, Hera dificultou seus próprios planos.

Num certo anoitecer, Zeus implantou na mente de Alcmena o temor de que Hera, sua esposa, viesse fazer algum mal ao infante Héracles naquela mesma noite. Para proteger seu filho da cólera da deusa, Alcmena tirou o pequeno Héracles do palácio e deixou-o num local isolado, fora dos muros de Tebas, pedindo que Atena o protegesse.

Agindo sob as ordens de Zeus, Atena levou Hero para passear nos arredores da cidade e, fazendo parecer uma mera coincidência, conduziu-a exatamente ao lugar onde Héracles fora deixado.

Hera viu a criança e pegou-a no colo. Atena que observava a cena, sugeriu que a deusa amamentasse o bebê. Hera, com boa vontade, ofereceu seu seio à criança, mas Héracles sugou-o com tal força e machucou-a tanto, que ela o afastou bruscamente, deixando esguichar seu leite no céu escuro. E assim foi criada a via láctea, o “caminho do leite”. Mas não foi só isso que aconteceu. Quando Héracles tomou o leite de Hera, tornou-se muito forte: em vez de destruí-lo como planejara, a deusa o fizera indestrutível.

The Origin of the Milky Way (~1575) by Tintoretto, in National Gallery, London

A origem da Via Láctea (1575), por Tintoretto, National Gallery, Londres.

Depois que as duas deusas saíram de cena, apareceu Alcmena, apressada para pegar seu filho. Hera mordeu os lábios, pálida de raiva. Agora compreendia o acontecido. Assim como enganara Zeus, via-se por ele ludibriada. Ela não podia fazer nada, mas sua determinação de destruir Héracles redobrou-se. A partir daí, Zeus confiou a Atena a tarefa de proteger o pequeno Héracles.

Referência:

STEPHANIDES, M. Hércules. Trad. MICHAEL, Marylene P. São Paulo: Odysseus, 2005.

Categorias: Deuses, Heróis | Tags: , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Medusa

Medusa (1595-96), by Carvaggio, Galleria degli Uffizi, Itália.

Medusa (1595-96), por Carvaggio, Galleria degli Uffizi, Itália.

Μέδουσα (Médusa), Medusa, é um particípio presente feminino do verbo μέδειν (médein), “comandar, reinar sobre”, donde Medusa é “a que comanda, a que reina”. Etimologicamente, Médusa, está presa à raiz indo-europeia med-, que, em outras línguas aparece com significações diversas: latim modus, “medida, moderação”, meditari, “refletir, meditar”. No irlandês antigo midiur é “eu penso, eu julgo”. Esta noção de pensamento que “regula, modera” está presente no osco mediss, “aquele que julga”, umbro mers, “direito”. Por vezes, o radical med- forneceu termos relativos à medicina, “o médico que regula, domina a doença”, daí o latim mederi, “cuidar de”, medicus, “o que cuida de”. No germânico a raiz se especializou no sentido de “medir, avaliar”, gótico mitan, anglo-saxão metan, antigo alemão messen. Em síntese, o sentido geral da raiz med-, que originou Medusa, “é assumir com autoridade as medidas apropriadas”

Das três Górgonas só Medusa era mortal. Filha de Fórcis e Ceto, vivia com suas duas irmãs em uma ilha na extremidade do mundo, no meio do Grande Oceano, junto ao país das Hespérides. Eram três monstros horripilantes, com grandes asas negras e o corpo coberto de escamas. Seus dedos terminavam em garras recurvas; nas cabeças, em vez de cabelos, tinha um emaranhado de serpentes venenosas, Suas línguas e dois dentes enormes ficavam pendurados do lado de fora da boca e seu olhar era horrendo e selvagem. Além de serem figuras terríveis, seus olhos eram flamejantes e o olhar tão penetrante, que transformavam em pedra quem as fixasse. Eram espantosas e temidas não só pelos homens, mas também pelos deuses.

Perseu decapitando Medusa, vaso ático (~460a.C.), Museu Britânico.

Perseu decapitando Medusa, vaso ático (~460a.C.), Museu Britânico.

Apenas Posídon ousou aproximar-se de Medusa e fazê-la mãe de Crisaor e Pégaso. Encarregado por Polidectes de lhe trazer a cabeça da górgona, Perseu viajou para o Ocidente. Utilizando determinados objetos mágicos, que pegou emprestado com as ninfas estígias, e sobretudo o seu escudo de bronze, o filho de Dânae pairou acima dos três monstros, graças às sandálias aladas. As górgonas dormiam profundamente. Sem poder olhar diretamente para Medusa, o herói refletiu-lhe a cabeça no escudo e, com a espada que lhe dera Hermes, decapitou o monstro.

Do pescoço ensanguentado de Medusa saíram dois seres engendrados pelo deus Posídon: Crisaor e Pégaso.

Gerou Górgonas que habitam além do ínclito Oceano
os confins da noite (onde as Hespérides cantoras):
Esteno, Euríale e Medusa que sofreu o funesto,
era mortal, as outras imortais e sem velhice
ambas, mas com ela deitou-se o Crina-preta
no macio prado entre flores de primavera.
Dela, quando Perseu lhe decapitou o pescoço,
surgiram o grande Aurigládio e o cavalo Pégaso;
Teogonia, vv. 274-281.

Perseu utilizou a cabeça recém decepada como arma. Em sua viagem de retorno, num ato descuidado, petrificou o titã Atlas. Posteriormente cabeça de Medusa foi colocada por Atena em seu escudo ou no centro da égide. Assim os inimigos da deus eram transformados em pedra, se olhassem para ela. O sangue que escorreu do pescoço da górgona foi recolhido por Perseu, uma vez que este era detentor de propriedades mágicas: o que flui na veia esquerda era um veneno mortal, instantâneo; o da veia direita era uma remédio salutar, capaz até mesmo de ressuscitar os mortos.

Cabeza de Medusa, por Peter Paul Rubens (1617-18)

Cabeça da Medusa (1617-18), por Peter Paul Rubens, Museu de História da Arte em Viena, Áustria.

Conta-se que Medusa era uma jovem lindíssima e muito orgulhosa de suas madeixas. Tendo, porém, ousado competir em beleza com Atena, esta eriçou-lhe a cabeça de serpentes e transformou-a em górgona.

Referências:

BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.1. Petrópolis: Vozes, 2008.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Trad. TORRANO, J. A. A. São Paulo: Iluminuras.

STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Categorias: Criaturas | Tags: , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Belerofonte contra a Quimera: Pégaso é domado

O filho de Glauco, porém, não ficou desencorajado e rumou para a Grécia. Ao chegar, perguntou por toda parte onde vivia Pégaso, mas as pessoas o olhavam com estranheza, pois nenhum jamais vira o cavalo alado com os próprios olhos.

Pegasus 11


Sobre Pégaso:
Belíssimo cavalo alado, com asas grandes, que voava graciosamente pelos céus. Filho de Posídon e Medusa, nasceu, juntamente com o irmão gigante Crisaor, quando a górgona teve sua cabeça decapitada por Perseu. Pégaso era uma cavalo arisco e selvagem, pois gostava de voar livremente e não admitia ser montado por ninguém, fosse mortal ou imortal. 


“Se os homens não sabem”, pensou Belerofonte, “talvez o saibam as ninfas, as nereidas, as Musas!”. Com esse pensamento se pôs a caminho do Hélicon, a montanha de muitas fontes e densas florestas, onde se dizia que viviam várias dessas divindades. O herói subiu as encostas arborizadas, prosseguiu entre os vales frondosos e, depois de caminhar por bastante tempo, chegou a uma fonte. Milhares de plátanos ocultavam o céu e as encostas escarpadas; rochas rodeavam aquele lugar encantador, que parecia inexplorado… Mas eis que, em meio ao murmúrio da água e o gorjeio dos passarinhos, ouviram-se de repente alegres vozes femininas e canções. Vieram à mente do herói as Musas do Hélicon. Realmente, três moas lindíssimas, iguais a deusas, logo surgiram diante dele e ofereceram sua ajuda. Quando Belerofonte disse que queria encontrar Pégaso, as Musas ficaram surpresas:

– O que você pede não é nada fácil! Você não tem sorte. Se tivesse vindo um pouco mais cedo, o encontraria aqui! Esta fonte que está vendo foi ele próprio quem fez e, por isso, se chama Hipocrene. Ao bater sua pata na rocha, a água jorrou. Pégaso se encontra agora em Acrocotrinto, onde há uma outra fonte sua, criada da mesma maneira, chamada Pirene. Vá para lá e pode ser que o encontre. Apenas mantenha-se  a distância, porque Pégaso não deixa que ninguém se aproxime dele. Ainda que consiga chegar perto, não tente montá-lo! Ele é muito selvagem e, se quiser fazer isso, perderá a vida nessa vã tentativa!

Contudo. Belerofonte não desanimou. Satisfeito com as informações, despediu-se das Musas e tomou o rumo de Acrocorinto. A ideia  de libertar a terra de Iobates da fúria destruidora da Quimera lhe dava coragem, e o pensamento de cavalgar Pégaso o encantara tanto, que de modo algum lhe passou pela cabeça recuar diante do perigo.

Marchando para Acrocorinto, Belerofonte avistou um templo dedicado à deusa Atena. Entrou, pôs-se de pé em frente à estátua da deusa, reverenciou-a humildemente e pediu-lhe que o ajudasse a encontrar e domar Pégaso. Em seguida, como era tarde e o Sol já tinha se posto, esticou-se em um canto do lado de fora do templo. Cansado, logo pegou no sono. Em sonho, viu a própria deusa Atena, que segurava entre as mãos uma rédea dourada:

– Belerofonte, filho de Posídon! – disse ela – Saiba que Pégaso é seu irmão, uma vez que também é filho do deus do mar. Porém, não é por isso que vai deixar você montá-lo. Tome estas rédeas; são mágicas. Se as colocar em Pégaso, ele se tornará tão obediente a você quanto o mais calmo dos cavalos.

Belerofonte logo estava voando pelo céu montado em Pégaso. Era incrível. Era mágica, mas uma mágica que não era real, nem durou muito, pois logo o herói acordou e se viu deitado sobre a terra.

Desapontado por tudo não passar de um sonho, decidiu levantar-se, quando enxergou uma rédea ao seu lado. Era a mesma rédea dourada que a deusa lhe dera em sonho. Tomou-a nas mãos. Desta vez não era sonho! Ele realmente tinha em suas mãos rédeas mágicas, com as quais poderia domar Pégaso!

Imediatamente Belerofonte retomou seu caminho para Acrocorinto. Logo encontrou a fonte Pirene, escondeu-se atrás de um arbusto e esperou. A cada farfalhar das folhas, virava a cabeça, pensando ser o cavalo que procurava. De repente, um estranho barulho de bater de asas o fez olhar para o céu e lá estava Pégaso!

Bellerophon on Pegasus, Walter Crane (1892)

Belerofonte montando Pégaso, por Walter Crane (1892).

Belerofonte olhava encantado para ele. Percebeu que precisava se esconder melhor e abaixou-se atrás do arbusto. Em pouco tempo Pégaso desceu até a fonte, bem em frente ao esconderijo do herói.

Apesar de não ter visto Belerofonte, o cavalo percebeu que havia alguém por perto e ficou arisco. Olhando para a esquerda e para a direita, relincho alto, enquanto movia as asas de modo ameaçador. O herói não se acovardou, e ficou esperando que surgisse a oportunidade. Entretanto, não havia jeito de Pégaso se acalmar. Então, o herói pegou uma pedra e jogou-a por sobre o dorso do cavalo para dentro e um arbusto. Ao escutar o barulho no arbusto, Pégaso virou a cabeça naquela direção e, de orelhas em pé, tentou descobrir o que era, ficando quase imóvel. Como um raio, Belerofonte saltou de seu esconderijo e, antes que Pégaso pudesse fazer o menos movimento, passou-lhe as rédeas.

O cavalo, pego de surpresa, virou-se e viu que Belerofonte, naquele momento, o acariciava no pescoço enquanto segurava-o firme pelas rédeas. Ao compreender o que havia acontecido, o cavalo sequer procurou fugir; em vez disso, relinchou amigavelmente, demonstrando submissão. O selvagem Pégaso havia sido domado.

Jan Boeckhorst , Pegaso (1675-1680)

Pégaso, por Jan Boeckhorst (1675-1680), Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro.

Referências:

BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.2. Petrópolis: Vozes, 2008.

STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Categorias: Criaturas, Heróis | Tags: , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Perseu e Andrômeda

Depois de decapitar Medusa e petrificar Atlas, Perseu continuou sua jornada e alcançou a costa da Etiópia. Voando no céu, viu do alto alguma coisa branca entre as escuras rochas da praia. Desceu por curiosidade. A primeira vista pensou se tratar de uma estátua, porém, ao se aproximar um pouco mais, reparou que era uma moça. Estava atada à rocha e chorava desesperadamente. Perseu firmou o pé em terra e se aproximou da jovem. Perguntou-lhe por que a haviam amarrado. Aos soluços, ela se pôs a relatar sua trágica história:

– Meu nome é Andrômeda e sou filha de Cefeu, rei da Etiópia. Fui amarrada à rocha porque preciso pagar por um delito que não cometi! Minha mãe, a rainha Cassiopeia, cometeu um erro inconcebível: quis medir-se em beleza com as formosas nereidas, filhas de Nereu, o adivinho do mar. E ainda brigou com elas no final, insistindo ser a mais bela. As deusas marinhas ficaram muito ofendidas e foram fazer suas queixas não a seu pai, que é calmo e jamais se zanga, mas ao poderoso deus do mar Posídon, o abalador da Terra. A fúria do deus foi irrefreável. Para nos castigar, enviou à nossa terra uma inundação catastrófica! Assim que essa desgraça passou, fez surgir um monstro marinho que devasta nossos campos. Como o mal parecia não ter fim, meu pai foi perguntar ao oráculo o que devia fazer. O adivinho respondeu que o mal só terá fim quando o monstro devorar a filha do rei. O povo não suportando mais a desgraça que se abatera sobre ele, se amotinou. Assim, amarraram-me a esta rocha, e agora estou prestes a ser despedaçada pela fera.

Perseu ficou imensamente comovido. Já estava apaixonado pela linda moça e queria muito salvá-la, para fazê-la sua esposa, mas não sabia com que palavras se dirigir a ela. Então Andrômeda acrescentou:

– Solte-me, caro estrangeiro! E faça de mim sua escrava, se não quiser se casar comigo! Salve-me e lhe serei grata para sempre.

Mal disse isso, a jovem começou a chorar, lamentando seu destino tão impiedoso. Perseu então se apresentou a Andrômeda, dizendo que era filho de Zeus e que podia derrotar o monstro para libertá-la. No momento em que a esperança iluminou o rosto da bela princesa surgiram seus pais, que haviam escutado as palavras de Perseu. Atiraram-se aos seus pés e imploraram para que o herói salvasse sua filha. Eles prometeram dar todas as suas riquezas e o reino inteiro, caso Perseu o quisesse.

Perseus e Andromeda, por Pablo Veronese (1576-78)

Perseu e Andrômeda, por Pablo Veronese (1576-78), Museu de Belas Artes de Rennes, França.

Perseu queria apenas desposar Andrômeda. Então, Cefeu e Cassiopeia juraram em nome da deusa Afrodite que lhe dariam a mão da filha em casamento, se ele derrotasse o abominável monstro. Eis que, num instante, o mar começou a espumar e a revolver-se. Um dorso negro surgiu dentre a espuma, mas desapareceu para ressurgir logo em seguida, até que, em pouco tempo, se podia distinguir um dragão marinho tenebroso sobre as ondas.

O momento era crítico. O monstro rasgava as ondas e se aproximava rapidamente. Perseu voou para o céu. Andrômeda e seus pais olharam-no surpresos, quando, subitamente, o herói colocou o elmo de Hades e ficou invisível, deixando todos perplexos. Arremessou-se, invisível, sobre o dragão e de repente desferiu-lhe um golpe de espada no pescoço, mas este era tão grosso, que a criatura não sofreu grande dano, apenas ficou ainda mais enraivecida. O imenso dragão começou a saltar, formando ondas do tamanho de montanhas, e Perseu não via oportunidade de golpeá-loo novamente. O monstro procurava o inimigo, mas não via nada, nem na terra nem no mar; até que enxergou a sombra de Perseu sobre as ondas espumantes. Enganado, lançou-se em direção a ela. Então, o herói viu a chance que esperava e enterrou a espada até o cabo na cabeça da fera. Enfim, como que por magia, o monstro se acalmou; virou-se de barriga para cima no mar e ficou ali, arrastado pelas ondas. Andando agora sobre ele, Perseu tirou o capacete de Hades,  Andrômeda e seus pais, vendo-o de pé sobre o dragão, choraram de alegria. Após assegurar-se de que a fera estava mesmo morta, Perseu voou até Andrômeda. Depressa soltou as correntes que a prendiam.

Perseu libertando Andrômeda, por Piero di Cosimo (1510-13)

Perseu libertando Andrômeda, por Piero di Cosimo (1510-13), Galleria degli Uffizi, Florença, Itália.

No dia seguinte, prepararam-se as núpcias. No grande salão do palácio reuniram-se todos os nobres da região. Tudo era rico e majestoso. Logo, um cantor, belo como um deus, começou a tocar sua harpa, e a festa teve início. De repente, a canção foi interrompida e todos ficaram mudos e surpresos, pois a porta, escancarando-se, fez um estrondo: Fineu, irmão de Cefeu, entrou acompanhado de vários guerreiros dizendo que Andrômeda pertencia a ele. Cefeu e Cassiopeia ficaram sem palavras.

– Ouçam todos! – gritou um respeitável nobre. – Andrômeda está viva porque Perseu a salvou, arriscando a própria vida! E agora vem Fineu reivindicar seus direitos. Que direitos, Fineu? Onde você andava quando Andrômeda estava presa à rocha? Por que não foi matar o monstro? Por que, em vez disso, você se foi, deixando-a para a morte, sem nem mesmo ir confortá-la em sua desgraça? Quem desfez o noivado? Os pais dela ou você mesmo? E com que direito vem tomá-la agora, ainda por cima à força? Andrômeda pertence a Perseu. Para aquele que discordar disso, há uma solução muito simples: perguntar a ela.

Cefeu, então, perguntou a filha com quem ela se casaria. Andrômeda respondeu que sua vida pertencia a seu salvador e que tomaria o mesmo como esposo.

Fineu irritadíssimo, sem perder tempo, arremessou sua lança em direção a Perseu, que estava parado e pulou para o canto, salvando-se. Mas a arma atingiu mortalmente o peito do cantor. Perseu sacou sua espada para se defender, enquanto, dentre os convidados, vários jovens destemidos e valorosos puseram-se a seu lado. A batalha teve início imediato. Um após outro, os homens de Fineu caíam mortos pelo chão, mas, como eram muitos e pereciam também diversos companheiros de Perseu, a luta continuava desigual.

A própria Atena, vendo o herói em perigo, veio ajudá-lo, protegendo-lhe o corpo com seu escudo. Porém, choviam flechas e lanças, e todos os guerreiros de Perseu já estavam mortos. O valente filho de Zeus guerreava sozinho. Apoiado em um pilar, travava uma luta que não tinha  menor chance de vencer. A não ser que… Então Perseu gritou para que fosse seu amigo, virasse os olhos para o outro lado. Dizendo isso, tirou da sacola a cabeça de Medusa e exibiu-a aos inimigos. De repente, o palácio de Cefeu ficou repleto de estátuas. Eram os guerreiros de Fineu, que haviam se transformado em pedra.

Por último restou o próprio Fineu, que, ao ver o mal que se abatera sobre seus companheiros, caiu apavorado aos pés de Perseu e implorou compaixão. O herói, no entanto, mostrou-lhe a cabeça da górgona e o transformou em pedra. Assim, Fineu ficou petrificado na posição mais humilhante, a do guerreiro suplicante.

Perseu desposou Andrômeda, mas não quis prolongar sua permanência no  palácio de Cefeu, pois precisava voltar à Grécia. Com lágrimas nos olhos, Andrômeda se despediu dos pais e acompanhou o marido.

Referência:

STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Categorias: Criaturas, Heróis | Tags: , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Perseu contra Medusa

A proeza que Perseu deveria realizar não era apenas inatingível: era morte certa. Assim que ele fitasse a terrível górgona, prontamente se faria estátua pétrea, sem vida.

Medusa 18


Sobre a Medusa:
Medusa vivia com suas duas irmãs em uma ilha na extremidade do mundo, no meio do Grande Oceano. Eram três monstros horripilantes, com grandes asas negras e o corpo coberto de escamas. Seus dedos terminavam em garras recurvas; nas cabeças, em vez de cabelos, tinha um emaranhado de serpentes venenosas, Suas línguas e dois dentes enormes ficavam pendurados do lado de fora da boca e seu olhar era horrendo e selvagem. Além de ser uma figura terrível, ainda podia petrificar que olhasse em seus olhos.


Perseu era filho de Zeus, o grande soberano dos deuses e dos homens. E Zeus não deixaria que seu filho morresse. Assim, designou dois deuses para ajudá-lo: Hermes presenteou Perseu com a única espada que poderia cortar de uma só vez a cabeça da terrível Medusa: feita de diamante, a arma era capaz de cortar até ferro; Atena, por sua vez, deu-lhe um escudo tão reluzente que podia servir de espelho e disse: “Como você não pode fitar o rosto de Medusa, olhará para o seu reflexo no espelho e, assim, terá como lhe cortar a cabeça sem virar pedra”.

Em seguida, a deusa conduziu Perseu a Samos, onde havia três imagens de corpo inteiro das górgonas.

– Veja qual delas é Medusa. Estou lhe dizendo isso para que não cometa um engano e tente matar umas das outras duas, pois são imortais! Mas saiba que o perigo não será menor quando quiser cortar a cabeça da Medusa. Vá ao encontro das ninfas do Estige, e elas lhe concederão o aparato necessário à tarefa. Não sei dizer onde encontrá-las; nem eu nem homem ou deus algum, somente as três greias, que você poderá encontrar perto da terra das hespérides. Elas, porém,são irmãs da Medusa e só revelarão onde vivem as ninfas à força.

A deusa então mostrou a Perseu o caminho para a morada das três greias e lhe garantiu que ele as reconheceria facilmente. Afinal, eram muito velhas. E o mais estranho: as três tinham somente um olho e um dente, que partilhavam.

GreiasDepois de um longo caminho, Perseu as encontrou. Chegou bem na hora que uma delas tirava o olho e o passava à irmã. Quando o braço de uma se estendeu para entregar o olho à outra, Perseu interpôs-se, e o objeto foi colocado bem na palma de sua mão. Imediatamente ela agarrou o olho e disse: “Lá se vai o olho de vocês! Não o terão de volta se não me disserem onde encontrar as ninfas estígias!”.

O golpe foi inesperado para as greias. Ficaram contrariadas e não sabiam o que fazer. Moviam seus braços às cegas, tentando apanhar Perseu. Não queriam dizer de jeito nenhum onde moravam as ninfas, porque elas tinham as sandálias aladas, o capacete de Hades e a sacola mágica. E as greias sabiam que quem tivesse esses apetrechos em seu poder estaria em busca de matar Medusa, e poderia fazê-lo. Quando se deram conta que não reaveriam o olho, começaram a implorar Perseu, mas ele se manteve firme. As três velhas ficaram em pânico e, aterrorizadas, gritaram a uma só voz onde as ninfas poderiam ser encontradas.

Perseus and the Sea Nymphs, by Edward Burne Jones (1877)

Perseu e as Ninfas, por Edward Burne Jones (1877).

Perseu devolveu o olho e foi ao encontro das ninfas. Ao dizer-lhes o que se encarregara de fazer, obteve delas, prontamente, o que fora buscar. Uma lhe trouxe as sandálias aladas, com as quais poderia voar; outra, o capacete de Hades, que o tornaria invisível; a terceira lhe deu um saco mágico, que aumentava e diminuía, envolvendo coisas de qualquer tamanho.

– É para colocar aí dentro a cabeça da Medusa: mesmo decepada, ela tem o poder de transformar em pedra quem olhar para ela.

Perseu apanhou os apetrechos e seguiu. Com as sandálias aladas, voava veloz e graciosamente pelo céu. Não tardou a chegar à ilha das górgonas, quando então colocou o capacete e se tornou invisível. Lá do alto avistou as três. Em volta delas, e por toda a ilha, viam-se imagens humanas de pedra, fustigadas pela chuva e pelo vendo.

Agora Perseu olhava somente pelo reflexo de seu escudo. Àquela hora, as três estavam dormindo, e o herói se aproximou rapidamente. Logo distinguiu Medusa, e,  nessa hora difícil, Atena estava a seu lado. Dava-lhe ânimo e estava pronta para lhe guiar a mão. Com cuidado, Perseu olhou no espelho, calculou corretamente e, com um golpe certeiro da espada, decepou a horrorosa cabeça. Do pescoço cortado de Medusa, saltou primeiro um cavalo alado, Pégaso, e em seguida um gigante, Crisaor, ambos filhos de Posídon. O destino escrevera que eles nasceriam do pescoço de Medusa quando um certo herói lhe cortasse a cabeça.

Perseu enfiou a cabeça na sacola e voou para o céu, enquanto o corpo da górgona despencava para o mar. Mas o barulho acordou as duas irmãs do monstro. Vendo Medusa morta, saíram de imediato à procura do assassino, mas nada viram. Então, abriram as asas e voaram em direção ao céu. Perseu, todavia, já estava totalmente invisível e elas voltaram, desoladas.

The Birth of Pegasus and Chrysaor (1876-1885) by Edward Burne-Jones, gouache, Southampton City Art Gallery.

O nascimento de Pégaso e Crisaor, por Edward Burne-Jones (1876-1885).

Referência:

STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Categorias: Criaturas, Heróis | Tags: , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Aves do Estínfalo

Albrecht Dürer, Hércules mata a las aves de Estinfalo (1500). Temple sobre lienzo, 87cm x 100 cm. Germanisches Nationalmuseun, Nüremberg.

Hércules mata as aves do Estínfalo, por Albrecht Dürer (1500), Museu Nacional Germânico, Nuremberg.

Numa espessa floresta, às margens do lago Estínfalo, na Arcádia, viviam centenas de aves de rapina horrorosas de porte gigantesco, que devoravam os frutos da terra, causando enormes prejuízos aos campos circunvizinhos. Segundo outras fontes, eram antropófagas e liquidavam os passantes com suas penas aceradas, de que se serviam com de dardos mortíferos. Suas asas eram de bronze; seus bicos e suas garras, de ferro, e elas eram imensas e sanguinárias. Nenhum homem ou animal podia se aproximar do lago porque, assim que os viam, as aves despejavam penas de bronze pesadas e afiadas como flechas, depois mergulhavam sobre suas vítimas feridas e as devoravam.

A dificuldade consistia em fazê-las sair de seus escuros abrigos na floresta. Hefesto, a pedido de Atena, fabricou matracas de bronze. Com o barulho ensurdecedor desse instrumentos, as aves levantaram voo e foram exterminadas pelas flechas de Héracles envenenadas com o sangue da Hidra de Lerna, em seu terceiro trabalho.

Pájaros Estínfalo

Héracles e as Aves do Estínfalo, anfora ateniense 560-530 a.C., Museu Britânico, Londres.

Referências:

BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.1. Petrópolis: Vozes, 2008.

STEPHANIDES, Menelaos. Hércules. Trad. MICHAEL, M. P. São Paulo: Odysseus, 2005.

Categorias: Criaturas, Lugares, Outros | Tags: , , , , | Deixe um comentário

XII. Cérbero

Esse foi o único trabalho que Euristeu escolheu por si mesmo e foi o mais maligno: mandar o herói ir para o reino das profundezas e trazer o temível cão de guarda infernal, Cérbero.

Enquanto o mesquinhos rei fazia planos para aniquilar o herói, Héracles foi entregar os pomos de ouro para Atena. Ela os levou de volta para o jardim das Hespérides, pois lá era o seu lugar.

Após devolver os pomos, o arauto Copreu veio para lhe transmitir as ordens do rei para seu último trabalho: descer ao Hades e traze-lhe Cérbero.


Sobre Cérbero:
Cérbero era outro filho de Tífon e Equidna; portanto, irmão do Leão de Nemeia, da Hidra de Lerna, de Ortro, de Ládon e de muitos outros monstros terríveis. Era um cão com três cabeças circundadas por uma massa de serpentes sibilantes, e no fim de sua cauda havia uma cabeça de dragão. Cérbero era imortal e guardava os portões do Hades com uma vigilância permanente, para que nenhum morto escapasse à superfície. Se qualquer um se aproximasse dos portões, Cérbero o estraçalharia e o engoliria num instante.


Héracles partiu para esse trabalho envolvido em sua pele de leão e armado do arco-e-flecha e da clava. Descer vivo ao reino dos mortos já era algo inacreditável, mas voltar de lá com Cérbero como prisioneiro soava além dos limites da imaginação. Quando Zeus soube dessa tarefa imposta a seu filho, ficou preocupado e mandou Hermes e Atena para guiarem-no.

Entrando por um caverna nas encostas do monte Taígeto, os três mergulharam profundamente na Terra e, depois de horas andando por trilhas subterrâneas que jamais haviam sido pisadas, chegaram às margens do sagrado rio Estige.

Lá encontraram com Caronte, que transportava as almas dos mortos em seu barco. Embora ele não quisesse que Héracles subisse a bordo porque estava vivo, quando Hermes e Atena ordenaram, o barqueiro não teve outra escolha senão obedecer.

CerberusQuando chegaram ao outro lado, Cérbero farejou imediatamente o cheiro de carne humana viva e foi correndo para o portão. Normalmente ele não se incomodava com quem entrava, mas, quando viu Héracles, alto como um gigante e, além disso, armado, começou a rosnar e a mostrar os dentes. Porém não tentou atacar o herói e nem Héracles fez qualquer movimento contra ele. Atena o aconselhara que primeiro obtivesse o consentimento de Plutão, rei do Hades, pois, se não o fizesse, encontraria obstáculos insuperáveis.

Os três passaram pelos portões do reino dos mortos. Atena e Hermes eram imortais. Eles conheciam bem o reino de Plutão e não ficaram abalados com o que viam. Mas Héracles, que não era um deus, não pôde deixar de ficar impressionado. Mesmo sendo corajoso, sentiu o medo apertando seu peito. O reino dos infernos se estendia diante dele, escuro e sem limites. Em vez de céu, era coberto por altos arcos de pedra e sombrias abóbodas escavadas na rocha. Ouviam-se choros e gemidos por todos os lados, ecoando sem parar, e toda aquela vastidão se revestia de sons de sofrimento.

Héracles só tinha dado mais alguns passos quando as almas dos mortos o enxergaram e fugiram. Todas, menos a temível Medusa, a górgona alada, cujos cabelos eram uma massa de serpentes retorcidas. O herói se sentiu intimidado, mas como Medusa estava morta, não podia mais causar mal algum.

Outro morto que não fugiu foi o herói Meléagro. Ele vestia uma armadura brilhante e, assim que avistou Héracles, correu em sua direção. E falou para o herói que ele havia sofrido o pior dos infortúnios que um homem pode sofrer. Dizendo isso, sentou-se e contou sua trágica história: de como sua mãe, que o tinha amado como jamais outra mãe amou o filho, havia sido, no fim, o motivo de sua destruição, levando-o a lutar contra o próprio deus Apolo, o arqueiro mortal cujas flechas nunca erram o alvo. Só um confronto como aquele poderia tê-lo levado para o Hades, porque entre seus amigos ou inimigos nunca houvera um guerreiro como Meléagro.

Héracles nunca tinha ouvido uma história tão triste, e ela o comoveu tanto, que as lágrimas brotaram em seus olhos.

Mas Meléagro ainda não havia terminado e disse: “Ainda há algo que me preocupa. Eu deixei a minha irmã Dejanira na casa de meu pai, solteira e sem ninguém para protegê-la. Ela é encantadora como uma deusa. Torne-se seu guardião, Héracles, ou case-se com ela”. O herói tranquilizou Meléagro e disse que faria o melhor por sua irmã.

Finalmente, após outros encontros inesperados, Héracles apresentou-se diante de Plutão, rei do inferno. Plutão ficou perplexo ao vê-lo e perguntou asperamente o que ele pretendia, aparecendo vivo e armado diante dele. Mas sua mulher, Perséfone, que estava a seu lado, olhou para o herói com simpatia, porque ela também era filha de Zeus e isso fazia de Héracles seu irmão.

– Poderoso soberano do mundo dos mortos – o herói explicou -, eu não vim aqui por minha própria vontade. Fui enviado por Euristeu, a quem os grandes deuses deram o direito de me mandar fazer o que bem entendesse e de exigir de mim uma obediência cega. Eu me sujeitei à vontade desse soberano covarde para lavar a mancha de um crime terrível, e ele me enviou até aqui para realizar a mais impossível das tarefas, com um único objetivo: ocasionar a minha destruição, pois o simples fato de eu existir enche seu coração de medo. Até agora, todos os seus esforços falharam, e ele me mandou ao seu escuro reino, porque, segundo diz, quer ver Cérbero, apesar de eu crer que, se ele pôr os olhos nessa criatura, ficará tão aterrorizado, que não saberá onde se esconder. Seja como for, para mim não há escolha: tenho que levar Cérbero a Micenas.

Plutão parecia cheio de dúvidas. Como poderia permitir que o guardião do inferno fosse à superfície? Jamais ouvira uma coisa dessas. Mas Perséfone olhou para o marido com um ar suplicante que, depois de muito pensar, Plutão disse finalmente:

– Muito bem, pode levar o animal, mas só se puder dominá-lo sem usar suas armas.

Dominar o Cérbero sem nada nas mãos! O herói aceitou a oferta de certo modo aliviado e seguiu direto para os portões. Quando viu Cérbero, largou sua clava e seu arco, mas puxou a pele de leão com que se protegia para perto de seu corpo. Mais uma vez a pele do Leão de Nemeia, que ele conseguiu em seu primeiro trabalho, salvaria o herói.

Assim que Cérbero viu Héracles se aproximando dos portões do inferno, atacou-o. Ele deixara o herói entrar, mas isso não significava que o deixaria sair. Entretanto, nem as presas afiadas de Cérbero eram capazes de perfurar a espessa pele do leão, e Héracles conseguiu agarrá-lo pelo pescoço, bem no ponto onde suas três cabeças brotavam. Ele apertou com toda sua força, e os esforços de Cérbero para soltar-se foram inúteis; este chegou a morder a perna do herói com os dentes de dragão da ponta da sua cuada, mas, apesar da dor, Héracles não afrouxou seu aperto. No fim, Cérbero não pôde resistir à pressão do estrangulamento e desistiu de lutar, assinalando para seu oponente que admitia a derrota.

Héracles pôs uma forte corrente em volta do pescoço de Cérbero. Subjugado, ele uivava humildemente, com as três cabeças baixas.

Para voltar, Héracles escolheu outra rota, que passava c%C3%A9rberos+o+c%C3%A3o+do+infernopelos Campos Elísios, um lugar muito diferente do escuro mundo do Hades. Lá ficavam os mortos que, por suas nobres ações, tinham ganho o favor dos deuses. Depois, seguindo o curso do rio Aqueronte ao longo de uma caverna, saíram para o mundo superior, através de Tirinto.

Assim que emergiram, Cérbero voltou a ficar selvagem. As serpentes que rodeavam seu pescoço sibilavam perversamente e suas bocas espumaram de raiva. Deu um puxão na corrente com toda a força e, latindo freneticamente, tento escapar de volta para a profundeza escura e fugir da intolerável luz do dia.

Héracles lançou-se sobre ele como um raio, com as mãos abertas para agarrar seu pescoço, e Cérbero viu que não podia fazer nada para se salvar. Curvando suas cabeças outra vez, seguiu o herói, submisso.

Micenas já não estava muito longe, e Héracles devorava a distância com passos largos. O último trabalho estava chegando ao fim.

Agora, ele estava no pátio do palácio! Quando os guardas viram o monstro que o seguia de perto, recuaram e se mantiveram a uma distância segura. Ninguém tentou se opou à sua entrada. Euristeu teria de ver Cérbero, querendo ou não.

Um gemido de terror foi tudo que o rei conseguiu emitir como boas-vindas. Tão grande foi seu medo, que saltou para dentro de uma ânfora de barro – a mesma na qual se escondera quando viu o Javali de Erimanto, o quarto trabalho de Héracles. Desta vez, também puxou a tampa por cima de sua cabeça e ficou ali dentro fechado por três dias e três noites, sem nem mesmo querer sabre o que acontecia do lado de fora.

Héracles riu de desprezo quando viu Euristeu pular no cântaro como uma lebre assustada. Depois, levou Cérbero de volta à caverna pela qual o tinha trazido para luz do dia e soltou a corrente que lhe envolvia o pescoço. Rápido como um raio, o terrível cão desapareceu na escuridão subterrânea.

12th labor of Hercules - Cerberus, by Pierre Salsiccia

Cérbero, por Pierre Salsiccia

Referência:

STEPHANIDES, M. Hércules. Trad. MICHAEL, Marylene P. São Paulo: Odysseus, 2005.

Categorias: Criaturas, Heróis, Lugares | Tags: , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Blog no WordPress.com.

Pensamentos Flutuantes

Entre devaneios e realidade, ideias ascendentes

%d blogueiros gostam disto: