Equidna

Ἔχιδνα (Ékhidna), Equidna, é um derivado de ἔχις (ékhis), “víbora, serpente”, que, etimologicamente, está bem próximo de όφις (óphis), “serpente”.

Echidna

Ela pariu outro incombatível prodígio nem par
a homens mortais nem a Deuses imortais
numa gruta cava: divina Víbora de ânimo cruel,
semininfa de olhos vivos e belas faces
e prodigiosa semi-serpente terrível e enorme,
cambiante carnívoro sob covil na divina terra
Aí sua gruta lá embaixo está sob côncava pedra
longe dos Deuses imortais e dos homens mortais,
aí lhe deram os Deuses habitar ínclito palácio.
Em Árimos sob o chão reteve-se a lúgubre Víbora
ninfa imortal e sem velhice para sempre.
Teogonia, vv. 295-305.

Equidna, segundo Hesíodo, era filha de Crisaor e Calírroe. Em outras variantes, seus pais são Fórcis e Ceto ou ainda Tártaro e Gaia. Equidna, a víbora, era concebida como mulher até a cintura e daí para baixo como serpente. Seu habitat era uma caverna da Cilícia ou o Peloponeso, onde foi morta por Argos de Cem-Olhos, pelo fato de o monstro devorar os transeuntes. Extremamente fértil, uniu-se a Tífon, monstro horrendo e foi mãe de outros tantos: Ortro, Cérbero, Hidra de Lerna, Quimera, Fix e Leão de Nemeia. Uma variante atribui-lhe igualmente como filhos o dragão da Cólquida, que, no bosque de Ares, guardava o Velocino de Ouro, bem como aquele outro temível que vigiava os pomos de ouro no Jardim das Hespérides.

Segundo ainda uma versão muito antiga, Equidna, tendo-se unido incestuosamente a seu filho Ortro, foi mãe da Fix, isto é, da Esfinge. Na perspectiva analítica do incesto, C. G. Jung retratou Equidna como imagem da mãe: “Bela e jovem mulher até a cintura, mas a partir daí uma serpente horrenda. Este ser duplo corresponde à imagem da mãe: na parte superior, a metade humana, bela e sedutora; na inferior, a metade animal, medonha, que a defesa incestuosa transforma em animal angustiante. Seus filhos são monstros, como Ortro, o cão de Gérion, aos quais Héracles matou. Foi com este cão, seu filho, que em união incestuosa, Equidna gerou a Esfinge. Este material é suficiente para caracterizar a soma de Libido que produziu o símbolo da Esfinge.”

Equidna traduz a prostituta apocalíptica, a libido que queima a carna e a devora. Mãe do abutre que roeu as entranhas de Prometeu, é ainda o fogo do inferno, o desejo excitado e sempre insaciável. É a Sereia devoradora, de cuja sedução Odisseu soube fugir.

Equidna (2)

Referências:

BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.1. Petrópolis: Vozes, 2008.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Trad. TORRANO, J. A. A. São Paulo: Iluminuras.

Anúncios
Categorias: Criaturas | Tags: , , , , , , , , | 3 Comentários

Navegação de Posts

3 opiniões sobre “Equidna

  1. wollembreg felix

    Bom dia

    Sou wollemberg felix estudante de história pela Urca. Assim como vc também sou apaixonado pelo mediterrâneo antigo. Tenho um grupo no face que se chama Idade Antiga Hoje, onde eu acabei postando no grupo dois a três textos seus. Eu sei que já é meio tarde pra perguntar isso, mais queria saber se vc me dá sua permissão para poder publicar seus textos no grupo.

    meu face woll félix
    Obrigado pela atenção

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Pensamentos Flutuantes

Entre devaneios e realidade, ideias ascendentes

%d blogueiros gostam disto: