Ceto

Herakles and Ketos, Krater, Fine Arts Museum, Bosto, Massachusetts, USA

Héracles e Ceto, cratera, Museu de Belas Artes de Boston, Massachusetts, EUA.

Κῆτος (Kêtos), Ceto, “monstro marinho”, baleia, crocodilo, hipopótamo. Diga-se de passagem, que o latim cetus é mera transliteração do grego κῆτος (kêtos), “ceto” e, através de seus derivados, as formas vernáculas “cetáceo, cetodonte, cetogênio, cetografia, cetologia, cetina”. Ceto designa igualmente a constelação da Baleia. Cetus também é identificado com Tiamat, a serpente da antiga mitologia assíria e babilônica.

O monstro marinho enviado por Posídon para assolar a Etiópia depois de a rainha Cassiopeia ter se gabado de sua beleza com as Nereidas. O oráculo de Amon disse que apenas o sacrifício de Andrômeda a Ceto poderia salvar a terra, e por isso a infeliz princesa foi acorrentada nua a rochas próximas ao mar.

Perseu a viu e, após ter feito um acordo com os pais de Andrômeda para obter sua mão em casamento, a salvou. Ele usou os apetrechos concedidos pelas ninfas estígias (as sandálias aladas e o capacete de Hades) para derrotar o monstro. Segundo outra versão, ele sobrevoou o monstro montado em Pégaso e usou a recém decepada cabeça da górgona Medusa para petrificar Ceto.

Herakles and Ketos, hydrian, ca 530-520BC, at Stavros S Niarchos Collection, Athens, Greece.

Héracles e Ceto, hídria (530-520a.C.), Stavros S Niarchos Collection, Atenas, Grécia.

Além do Ceto enviado a Etiópia, conta-se também que um monstro marinho, igualmente enviado por Posídon, assolou a cidade de Troia como punição pela recusa do rei Laomedonte a pagar-lhe para a construção de muros de fortificação da cidade. Troia tinha a impenetrável muralha graças aos deuses Apolo e Posídon, mas quando trabalho dos deuses estava feito, Laomedonte recusou-se pagar o que havia prometido. Apolo fez uma praga tomar conta da cidade, enquanto Posídon enviou para sua costa um monstro do mar, que devorava quem quer que se aproximasse das praias. Vendo que suas tribulações não tinham fim, os troianos, desesperados, consultaram o oráculo para saber como se livrar dos desastres que se abatiam sobre eles. Um oráculo declarou que a única maneira de se livrar da besta era oferecer a filha do rei como sacrifício. Laomedonte amava sua filha, mas foi obrigado pelo povo a ceder. A jovem Hesíone foi aprisionada às rochas, onde ela foi resgatada por Héracles que despachou a fera com um anzol ou saraivada de flechas.

by Sidney Hall -Urania's Mirror -Cetus (1825)

Constelação de Ceto (1825), por Sidney Hall.

Referências:

BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.1. Petrópolis: Vozes, 2008.

DIXON-KENNEDY, M. Encyclopedia of Greco-roman mythology. California, 1998.

STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Anúncios
Categorias: Criaturas | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Pensamentos Flutuantes

Entre devaneios e realidade, ideias ascendentes

%d blogueiros gostam disto: