Quimera

Chimera. Apulian red-figure dish, ca. 350-340 BC, Louvre Museum III.jpg

Quimera, representação em um prato (~350-340a.C.), Museu do Louvre, Paris.

Χίμαιρα (Khímaira), Quimera, ainda não possui etimologia clara. A relação etimológica entre χίμαρος (khímaros), “cabrito”, e χίμαιρα (khímaira), “cabrita de um ano, nascida no ano anterior” é defendida por alguns etimólogos.

O sentido mais comum dado a Quimera, no mito, é de um monstro, filha de Tífon e de Equidna que tinha por irmãos o Leão de Nemeia, a Hidra de Lerna, Ortro, Cérbero e os criaturas terríveis.

São muitas formas por que se apresenta Quimera, mas a fusão de cabra com o leão é uma constante. Trata-se, pois, de um monstro híbrido, com cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de serpente e, segundo outros, de três cabeças diferentes: na frente, um leão; atrás, um dragão (ou serpente) e, no meio, uma cabra selvagem. A cabeça da caprina era a mais perigosa, pois cuspia fogo pela boca. Segundo outra versão, as chamas eram lançadas pelas narinas da cabeça de serpente.

Criada por Amisódaro, rei da Cária, vivia em Patera, devastando a região e sobretudo devorando os rebanhos. Por toda a redondeza, a Quimera espalhava a catástrofe e a morte. E não eram só os homens e os animais que ela matava e fazia em pedaços; de sua fúria destruidora não se salvavam nem as lavouras, nem os frondosos bosques. Tudo se queimava com as chamas que ela lançava de sua boca caprina.

Ela [Equidna] pariu a Cabra que sopra irrepelível fogo,
a terrível e grande e de pés ligeiros e cruel,
tinha três cabeças: uma de leão de olhos rútilos,
outra de cabra, outra de víbora, cruel serpente.
Na frente leão, atrás serpente, no meio cabra,
expirando o terrível furor do fogo aceso.
Teogonia, vv. 319-324

Cavalgando Pégaso, cavalo alado, Belerofonte, de um só golpe, cortou as cabeças da Quimera. Outra tradição conta que Belerofonte matou a quimera com muitas flechadas.

  Chimere 3

 Referências:

BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.2. Petrópolis: Vozes, 2008.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Trad. TORRANO, J. A. A. São Paulo: Iluminuras.

STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Anúncios
Categorias: Criaturas | Tags: , , , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Pensamentos Flutuantes

Entre devaneios e realidade, ideias ascendentes

%d blogueiros gostam disto: