Corsa Cerinita

Ελαφος Κερυνιτις (Elaphos Kerynitis), Corsa Cerinita, era a mais veloz e mais encantadora criatura do mundo. Habitava o monte Cerineu, na Arcádia, donde cerinita. Podia correr sem nunca se cansar, porque seus cascos eram feitos de bronze e sua cabeça era adornada com esplêndidos chifres de ouro maciço polido. Também conhecida como a Corsa dourada.

Ártemis amava a corsa acima de todas as criaturas. Ela tinha sido presente da ninfa Taigete, filha de Atlas e mãe de Lacedêmon, um dos primeiros reis de Esparta.

Héracles foi enviado para buscá-la em seu quinto trabalho. O herói de perseguiu o rápido animal por um ano inteiro. A corça cerinita levava-o sempre para diante, além das fontes dos Istros e subindo para as terras dos Hiperbóreos; depois, voltando para a Grécia e descendo o Peloponeso, correndo à sua frente pelo monte Artemísion e atravessando toda a Arcádia. O animal sagrado não dava sinais de cansaço, e Héracles seguia atrás dele obstinadamente, sem o perder de vista, mas nunca chegando perto o bastante para agarrá-lo. Até que chegaram no rio Ládon.

Então a corsa interrompeu sua fuga voraz. Olhou em volta, procurando um lugar para atravessar. O herói aproveitou a chance para capturar o animal e, percebendo que não havia outra solução, estucou o seu arco e apontou para as patas da corsa. A pontaria e a escolha do momento exato revelaram toda a sua perícia: a flecha atravessou as quatro patas de uma só vez, no justo instante em que ficaram juntas num salto. A arma passou-lhe entre os tendões e os ossos, sem derramar uma só gota de sangue. Apesar de a corsa não ficar muito ferida, não consegui se mover sequer um centímetro.

Nesse momento, Ártemis apareceu furiosa apontando suas flechas certeiras para Héracles. O herói explicou o motivo de suas ações e a deusa permitiu que ele levasse o animal sagrado para Micenas. Segundo algumas tradições, Héracles matou a corsa.

Hercules and the hind, with Athena and Artemis looking on (Attic amphora, 540–530 BC)

Hérakles capturando a corsa, quebrando um de seus chifres de ouro, enquanto Atena (à esquerda) e Ártemis (à direita) observam. Ânfora ática (~540-530 a.C.), Museu Britânico, Londres.

Referências:

BRANDÃO, J. S. Dicionário mítico-etimológico v.1. Petrópolis: Vozes, 2008.

STEPHANIDES, M. Hércules. Trad. MICHAEL, Marylene P. São Paulo: Odysseus, 2005.

Anúncios
Categorias: Criaturas, Heróis | Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Pensamentos Flutuantes

Entre devaneios e realidade, ideias ascendentes

%d blogueiros gostam disto: