O Touro de Maratona

Em Maratona, um touro terrível e furioso espalhava a ruína e a desgraça. Era o touro que Héracles trouxera vivo de Creta para Micenas, no seu sétimo trabalho, conforme a ordem de Euristeu, que o deixou desavisadamente em liberdade. Desde então, centenas de pessoas perderam a vida, perfuradas pelos chifres do monstro. Entra elas estava também o herói Androgeu, filho do rei Minos. Todos diziam que matar ou capturar o animal era uma façanha quase impossível. Mas Teseu decidiu fazer isso.

Egeu, rei de Atenas, não queria que seu filho, Teseu, rumasse para uma tarefa tão perigosa, contudo não pôde impedi-lo. Então, deu sua benção e permitiu que  Teseu fosse a Maratona. O herói, cheio de coragem e otimismo, partiu para encontrar e matar o touro.

Na estrada, encontrou uma velhinha pobre e fraca, Hécale, que vivia só, isolada numa cabana miserável, no sopé do monte Pentélico. Teseu lhe falou de maneira afável, dividiu com ela sua refeição e, em seguida, contou-lhe para onde estava indo e por que razão. A boa velhinha tentou impedir o herói, mas sem êxito. Como não podia fazê-lo mudar de ideia, prometeu, apesar de ser tão pobre, sacrificar um carneiro a Zeus se pudesse ver Teseu retornar com vida. Na hora que ele se despediu, ela, vendo-o jovem assim, quase uma criança, acariciou-lhe a face. Queria muito beijá-lo como se fosse um filho, mas não pôde, pois o rosto estava molhado de lágrimas.

Entretanto, a pobre velhinha não conseguiu oferecer o sacrifício prometido a Zeus, porque, antes que o herói retornasse, ela já havia falecido. Teseu nunca se esqueceu daquela bondade. Mais tarde, ao tornar-se rei de Atenas, foi até o lugar onde havia encontrado Hécale e ergueu um templo,o templo de Zeus Hecáleo, como o chamou. Depois estabeleceu as hecáleas, festas e competições esportivas que aconteciam em memória da boa velhinha. Mas por que tudo isso? O que Teseu tinha ganhado de Hécale? Nada. Nada mesmo, se a bondade for medida sempre de acordo com o ganho material. Às vezes, porém, uma só lágrima ou um carinho na face valem muito mais do que parece. Bravo, Teseu, por haver estimado esses gestos! E eis que a memória de Hécale, perdurou, ainda que tenham se passado milhares de anos. Afinal, ainda hoje as pessoas chamam de Hécale o distrito que existe naquele lugar.

Teseu, assim como Héracles, capturou o touro vivo. Com seus braços, que mais pareciam duas tenazes de ferro, ele o agarrou pelos chifres, amarrou-o bem firme e, em seguida, o carregou até Atenas, arrastando-o em triunfo pelas ruas da cidade. Finalmente, levou-o para o alto da acrópole e o sacrificou no altar da deusa Atena, entre os gritos de alegria de todos os atenienses.

Theseus Taming the Bull of Marathon, by Charles-André Van Loo (~1730)

Teseu domando o Touro de Maratona, por Charles-André Van Loo (~1730).

Entretanto, as alegrias por todos esses agradáveis eventos foram logo esquecidas; negros dias chegavam, dias de lamento. O motivo era o seguinte: Três anos antes, quando Teseu ainda morava em Trezena, aconteceram em Atenas grandes competições atléticas. Na ocasião, veio, para competir com os ateniense o herói Androgeu, filho de Minos, o grande rei de Creta. Androgeu tomou parte em todas as competições e em todas saiu vitorioso. Esse fato, todavia, causou grande aborrecimento a Egeu e a todos os atenienses. Então, Egeu disse ao herói que se ele fosse realmente forte, então deveria ser capaz de matar o touro de Maratona.

Seguro de mais essa vitória tão importante, Androgeu correu a Maratona. Contudo, ao chegar lá, além de perder a luta com o terrível monstro, o filho de Minos perdeu a vida. Ao ficar sabendo disso, o grande rei Minos jurou vingança e, imediatamente, começou as preparações para uma guerra, guerra que só seria evitada com o acordo que Egeu aceitou com muito pesar:  enviar sete rapazes e sete moças mais seletas da cidade, anualmente, durante nove anos, para servir de alimento para o Minotauro.

Referência:

STEPHANIDES, M. Teseu, Perseu e outros mitos. Trad. POTZAMANN, J. R. M. São Paulo: Odysseus, 2004.

Anúncios
Categorias: Criaturas, Heróis | Tags: , , , , , , , , | Deixe um comentário

Navegação de Posts

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Pensamentos Flutuantes

Entre devaneios e realidade, ideias ascendentes

%d blogueiros gostam disto: